sábado, setembro 29, 2007

Blog sobre Saúde Mental e Adolescência

Recomendo uma visita ao Blog:


http://psiadolescentes.wordpress.com

Nas palavras de um dos seu autores, Diogo Guerreiro, interno de psiquitatria:

"Trata-se de um site generalista sobre a saúde mental na adolescência. Para que os adolescentes das nossas consultas (e não só) fiquem informados sobre as suas doenças, tratamentos, fases da adolescência, etc."


sexta-feira, setembro 28, 2007

Maus tratos ao idoso



O aumento do número de idosos no mundo é visto como algo preocupante para OMS no que concerne ao agravamento das situações de violência relacionadas principalmente com a ruptura de laços tradicionais entre gerações e com o enfraquecimento dos sistemas de protecção social. Prevê-se que o número de pessoas com mais de 60 anos duplique até 2025, passando de 542 milhões em 1995 para 1200 milhões nessa data, dos quais 850 milhões em países em desenvolvimento onde a preocupação fundamental é com a força de trabalho activa e não com a força de trabalho já consumida, como é o caso dos idosos. Segundo a OMS somente 30 % dos idosos do mundo inteiro estão actualmente a receber pensões de reforma ou subsídios de velhice e invalidez, o que torna muito precárias as suas condições de vida acabando por expô-los a riscos acrescidos de violência que tanto pode ser exercida em ambiente familiar como institucional ou social.
Segundo o Conselho da Europa, a violência está presente em qualquer acto de comissão ou omissão que seja levado a cabo contra a vida, a integridade física e/ou psicológica ou a liberdade da pessoa que compromete seriamente o desenvolvimento da mesma.
A declaração de Toronto, assinada pelos países membros da ONU em 2002 definiu “maus tratos ao idoso” como sendo qualquer acto isolado ou repetido, ou a ausência de acção apropriada, que ocorre em qualquer relacionamento em que haja uma expectativa de confiança, e que cause dano, ou incómodo a uma pessoa idosa.
Estes actos podem ser de vários tipos, segundo a classificação proposta pelo comité nacional de abuso de idosos nos Estados Unidos (Nacional Centre on Elder Abuse, 1998):
● Abuso físico – o uso não acidental da força física que pode resultar em ferimentos corporais, em dor física ou em incapacidade. As punições físicas de qualquer tipo são exemplos de abuso físico. A sub medicação ou sobre medicação também se incluem nesta categoria.
● Abuso emocional ou psicológico – inflicção de angústia, dor ou aflição, por meios verbais ou não verbais; a humilhação, a infantilização ou ameaças de qualquer tipo incluem-se nesta categoria.
● Exploração material ou financeira – uso ilegal ou inapropriado de fundos, propriedades ou bens do idoso.
● Abandono – a deserção de ao pé de uma pessoa idosa por parte de um indivíduo que tinha a sua custódia física ou que tinha assumido a responsabilidade de lhe fornecer cuidados.
● Negligência – recusa ou ineficácia em satisfazer qualquer parte das obrigações ou deveres para com o idoso.
● Auto-negligência – comportamentos de uma pessoa idosa que ameaçam a sua própria saúde ou segurança. A definição de auto-negligência exclui situações nas quais uma pessoa idosa mentalmente capaz (que compreende as consequências das suas decisões) toma decisões conscientes e voluntárias de se envolver em actos que ameaçam a sua saúde ou segurança.
Estudos publicados apontam para uma prevalência entre 1 e 5% de idosos abusados. Estima-se que praticamente 2 terços dos perpetradores de abusos de idosos são membros da família, com muita frequência o cônjuge/companheiro (34,6%) ou filho adulto da vítima (33,5%), contudo netos, noras, genros, vizinhos também se encontram entre os abusadores. Usualmente a pessoa que abusa do idoso está a explorar uma relação de confiança. Segundo dados da APAV de 2006 os abusadores são usualmente homens (73%) e as vítimas de abuso são na sua maioria mulheres (80%). Em 57% dos casos o agressor vive na mesma casa que o idoso.
Sendo preocupante a frequente ausência de denúncias de muitos destes abusos que se prende com o facto do idoso estar frequentemente unido por laços de consanguinidade ao abusador, não tendo por isso coragem para denunciar estas situações por sentimentos de culpa, vergonha, medo das represálias (perda da autonomia, alteração do local em que habita nomeadamente ser colocado numa instituição, perda do cuidador mesmo sendo este o abusador, medo de ficar só sem alguém que dele cuide, entre outras), ninguém acreditar no abuso, baixa auto-estima (do idoso).
Face a este cenário o que será necessário fazer para impulsionar a procura de ajuda por parte desta franja da população vítima destes abusos? O que nos cabe a nós, psicólogos/psicoterapeutas, fazer? Deixo o alerta e aberto o debate!


segunda-feira, setembro 24, 2007

"Childre See, Children Do" (?)

video


A "Aprendizagem por Modelação ou Observação" foi como nos habituámos ler nos manuais aquilo que neste filme se apresenta de uma forma caricatural. É, segundo sei, da autoria da "Childfriedly.org" e corre pela Internet há já algum tempo. Fala por si.

quinta-feira, setembro 20, 2007

"Barreira de Contacto"

Nasceu em Julho um novo blog sobre psicologia e psicanálise, organizado por um amigo e colega, o Dr. João Balrôa. Parabéns João.

Aconselho a todos os que se interessam por estes temas a estarem atentos a este blog que já é muito interessante e tornar-se-á ainda mais com o nosso incentivo. Vão lá ver!


barreiradecontacto.blogspot.com

sexta-feira, setembro 14, 2007

Conferencia na Faculdade de Medicina de Lisboa

A Faculdade de Medicina de Lisboa, tem o prazer de o convidar a assistir à conferência intitulada “O Papel do Psicanalista no Processo de Cura” proferida por Bernard Penot, no âmbito do Mestrado de “Vitimização da Criança e do Adolescente”.

A conferência terá lugar na Aula Magna da FML no dia 14 de Setembro (sexta-feira - 21 horas), e será comentada por Carlos Amaral Dias e contará com as participações de António Coimbra de Matos, Luísa Branco Vicente e Pedro Luzes (entrada livre).

O Amor Virtual

Sabemos que é cada vez mais frequente o número de pessoas que se conhecem pela Internet, que marcam encontro e, algumas acabam por casar.
As transformações ocorridas na sociedade nas últimas décadas levaram ao aparecimento de novas formas de relacionamento que exigem novos olhares de compreensão e reflexão. Antes da Internet já tínhamos os serviços telefónicos como o telessexo, programas televisivos, e agências matrimoniais em que as pessoas vão em busca de namoro e casamento.
Quais as razões que levam as pessoas a procurarem estes recursos em busca do amor? Podemos evocar a solidão mas parece-me demasiado simplista e não abrange a complexidade da sua ocorrência.
O que tem chamado mais a atenção é o fenómeno virtual em que o internauta com quem se estabelece um relacionamento não é conhecido. As relações amorosas passaram a fazer parte das passibilidades dos internautas, pois, “para eles nada é mais lógico do que o estabelecimento de relações virtuais, uma vez que o computador passa a ser uma verdadeira realidade pessoal” (Angerami, 2006, p.108). Estabelecem o vínculo de namoro, assumem o compromisso, mas não se conhecem presencialmente.
Merleau-Ponty (1999) diz que “a sexualidade se difunde em imagens que só retêm dela certas relações típicas, certa fisionomia afectiva. O internauta cria no seu imaginário constitutivos idealizados de amor e da pessoa com quem se relaciona. A vivência da Internet não o remete à necessidade de vivências reais; a sua necessidade de amor é algo que não pode ser compreendido por padrões de amor que implicam o toque corpóreo” (cit. in Angerami, 2006, p. 110).
E por mais insólito que possa parecer aos que acreditam no pulsar da emoção, no brilho do olhar, a palpitação do coração, as palavras de todos os poetas que escrevem sobre o amor e a paixão, as pessoas podem estar satisfeitas com relacionamentos estabelecidos virtualmente. Estas novas modalidades de relação desafiam qualquer tipo de reflexão teórica-filosófica, sendo difícil contemplar estas mudanças à luz das publicações sobre a psicologia do desenvolvimento.

Angerami coloca, a meu ver, uma questão pertinente: será necessária uma reformulação nos conceitos actuais de estudos da condição humana para que possamos atingir em algum nível o seu verdadeiro dimensionamento?