sábado, agosto 28, 2010

segunda-feira, agosto 23, 2010

PORQUE É QUE NÃO CRESCEM?

O New York Times publicou recentemente um excelente artigo sobre este fenómeno relativamente recente: os jovens cada vez saem mais tarde de casa dos pais,  tornam-se  (quando se tornam) cada vez mais tarde financeiramente independentes, casam ou arranjam companheiros mais tarde, têm filhos mais tarde. Nos USA, a idade média do casamento aumentou 5 anos no espaço de uma geração.
Os sociólogos definem a passagem à idade adulta, como: acabar a formacao escolar, deixar a casa dos pais, tornar-se financeiramente independente, constituir família e ter um filho.
Curiosamente, o conceito de adolescência é mto recente, surge no sec. XX. Talvez seja preciso inventar agora uma nova palavra para esta fase em que já não se é adolescente para tb não adulto. Alguns psicólogos e sociólogos sugerem a expressãp "emerging adulthood" para esta espécie de pré-adultícia que cada vez mais se prolonga para além, não dos vinte, mas dos trinta anos.
O artigo, que vale a pena ler na integra em

http://www.nytimes.com/2010/08/22/magazine/22Adulthood-t.html?_r=3&adxnnlx=1282395630-wV7x29FxxAmVZAILVWjcrw&pagewanted=print

aponta para variadas razões, tanto económicas como culturais.
A mim parece-me que este fenómeno se enquadra numa outra questão mais alargada, que é a da progressiva infantilização das nossas sociedades. Estamos todos (e aqui incluo a minha geração, a dos chamados baby-boomers, que nascem já no sossego do pós-guerra) cada vez menos responsáveis e menos accountable (palavra que não existe em português - e não é por acaso).
Mas o que é mais triste é que cada vez mais o mal estar das pessoas tem a ver com  uma desmotivação, uma falta de vontade, um desinteresse, que às vezes pode nem chegar a ser uma depressão, tal como era classicamente definida.

sábado, agosto 21, 2010

BLOGAR E COMUNICAR

Começo já por assumir: sim, tenho escrito menos neste blog. E não foi apenas por causa das férias. Eu explico.
Antes, eu escrevia os posts num laptop. Recentemente , a minha vida mudou: comprei um iPhone ( ofereceram-mo, vá...). Faço tudo com ele, à excepção de alguns trabalhos mais académicos q exijam PowerPoint ou um programa de texto mais elaborado. O meu MAC portátil transformou-se numa espécie de mãe de todos, e reside agora, qual computador fixo, na sala, ligado ao écran LCD onde vejo os filmes e series da televisão.
Agora, em vez de arrastar com o MAC num trolley, ando com o iPhone no bolso das calças ou na mala.
Nele posso ler e escrever os mails, tuitar, passar pelo Facebook, ler os jornais, escrever pequenos textos e até ler os meus poemas preferidos, desde que o Kindle Store, da Amazon, passou a ter uma aplicação para esse efeito. Não satisfeita com isso, tiro fotografias e vídeos, faço desenhos, transformo caras (com a aplicação fatbooth, hilariante).
Até ando a escrever pequenos contos, que um dia espero publicar. São as chamadas short short stories, contos muito curtos, para ler de um trago.
E então, porque não blogo mais? É aqui que sou obrigada a reconhecer que nem o meu iPhone é perfeito. É q eu gosto, ou gostava, de colocar uma fotografia alusiva nos posts. E isso é que agora não consigo fazer. O dashboard para os blogs do Google não têm essa opção, pelo menos aqui no iPhone.
Estive a reflectir e acho que mais vale continuar a escrever sem fotos. O óptimo é inimigo do bom, como diz o ditado.
Segue em breve um post sobre o prolongamento da adolescência, um problema actual e que diz respeito a todos nós. Até já.

terça-feira, agosto 10, 2010

A origem


Fui ver este filme e se no inicio me pareceu muito disparatado, acabou por me surpreender e divertir. Na verdade o argumento é um emaranhado de construções meio loucas em torno dos processos mentais e dos sonhos, como via de acesso ao inconsciente. Vale a pena ver.
Gostei especialmente da representação da culpa, uma sacaninha persecutória e enlouquecedora alojada nas profundezas da mente.