segunda-feira, dezembro 31, 2007

2008

Votos de Próspero Ano Novo

Irvin Yalom - 3 livros a ler




Tenho aproveitado os últimos dias de férias para me dedicar à leitura de alguns livros de ficção e terminei a leitura dos 3 livros publicados pela Saída de Emergência de Irvin Yalom.
Irvin Yalom é psicoterapeuta e professor “Emeritus” de psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford e escreve sobre a sua actividade profissional.

Comecei por ler Quando Nietzsche Chorou. É uma história interessante: Irvin desenrola quase todo o romance centrando-se em conversas imaginadas (mas que remetem para situações descritas nos textos de Freud e Josef Breuer) entre Breuer e Nietzsche. O romance é muito cativante, com uma escrita fácil e absorvente.

A Cura de Schopenhauer faz uso da figura do célebre filósofo e de algumas das suas ideias principais para entrelaça-las com a dinâmica do trabalho semanal da grupanalise. Neste livro o psicoterapeuta, um dos personagens do livro, expõe ao leitor os seus “dramas” pessoais, as suas dúvidas, incertezas e a forma como ele próprio tenta lidar com a consciência de que vai morrer dentro de um ano (no inicio do livro é-lhe diagnosticado um tumor) e como se prepara para esse momento.

Por último em Mentiras no Divã, Irvin vai ainda mais longe e mostra como os psicoterapeutas e os psicanalistas são acima de tudo pessoas que se defrontam, como qualquer outras, com sentimentos de ciúme, inveja e ganância. Neste, mais do que nos outros romances, observa-se a exposição do psicoterapeuta/psicanalista enquanto pessoa e a alternância de papéis entre pacientes e psicanalistas. A mensagem que se destaca com mais impacto (pelo menos para mim) é a de que o psicanalista tem que estar atento para não deixar que a sua criatividade e autenticidade seja esmagada pelo peso do trabalho solitário e pela pressão do grupo de colegas de referência.

Recomendo vivamente a leitura de todos eles!

quinta-feira, dezembro 27, 2007

quarta-feira, dezembro 26, 2007

Peritos em Psicanálise Aplicada debateram os aspectos clínicos, sociais e culturais das manias, numas jornadas em Santiago de Compostela.



As manias são necessárias ao desenvolvimento normal do indivíduo já que geram “prazer e evasão da dor” e, por conseguinte só podem chegar a ser “muito danosas” se degenerarem numa patologia clínica, segundo psicólogos. Um dos peritos abordou “Ler Dom Quixote como cura”, já que tal como explicou Blanca Martínez, uma das psicólogas do comité organizador, este personagem literário reflecte de “forma brilhante algo que todos nós temos cá dentro”. Assim, argumentou que em cada indivíduo está presente o desejo e idealização da realidade que representa o cavaleiro da triste figura, para além de que também “os pés na terra” de Sancho, “ainda que no fundo todos nós quiséssemos ser Dom Quixote”.
Deste modo, outra das coordenadoras Maria da Cruz Cabada frisou que a mania é necessária ao desenvolvimento normal do indivíduo e a sua degeneração em patologia é uma questão de grau e intensidade da mesma.
O presidente de Gradiva, Eugénio Cornide, destacou que “o problema é que o facto de ser um dom ou gerar criatividade não é garantia de saúde”, enfatizando que a sua derivação em transtornos clínicos pode assumir as formas de bipolares ou de depressões, conjuntamente com estados latentes de excessiva de euforia com sentimentos de “grandiosidade”; hiperactividade; ou hipersexualidade, sendo que é imprescindível o recurso à farmacologia e psicoterapia para tratar os mesmos.
De qualquer das formas, estes peritos frisaram que as manias correspondem “à busca de prazer e do evitar da dor, que está presente em todos nós”, salientou Carnide. Deste modo, a psicóloga Maria da Cruz Cabada destacou o facto de que pode chegar a evitar suicídios pela ajuda e escape que proporcionam em momentos de intensa dor.

FONTE: EFE
Publicado em 16 de Novembro de 2007.
Picture by Picasso.

segunda-feira, dezembro 17, 2007

medo

O medo de voltar a sentir o medo que não se pode dizer nem chorar nem falar, nem lágrimas, nem palavras de dizer.
A guerra onde tudo se pode perder. Violência de mortes morridas muitas vezes.
O mundo acaba. Acaba sempre que pontes ficam sem lados norte e sul de pontes.
Momentos em que o medo e a raiva e o medo e a raiva, e a fúria, de gritar e não poder.E não saber e não poder.
O mundo acaba ali. De cada vez que a vez era uma vez de ser agora.
E nessa vez de fim de mundo - que só pode haver uma, mas muitas a prenunciavam - e de noite, num frio que é choro sozinho, de ninguém poder ouvir, uma mão fechada, outra mão fechada, pede e chora e pede e sente que tudo tem que ser mais.
E pede e chora e sente, que alguma coisa, alguém, surja e..... medo, silêncio, a noite que é a hora que os olhos cegam de tanto sentir dor, e pede e chora e sente, e fala todas as línguas que são línguas do mundo mas ninguém ouve, ninguém pode ouvir.
É silêncio de que se fala. É silêncio de ninguém vir, nem ver, nem nada.
O choro e o silêncio que pede.
E o olhar muito aberto na noite, que escurece mais ainda o que sempre será.
Vem, venham.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

Gente

Há gente que fica em nós, há gente que nos cobre e enche.
Há gente que nos inunda pelo que sentimos, pela ilusão que nos permite o respirar dos dias em nós.
Há gente que nos liga ao desejo de estar, poder, continuar, saudades, vem, vou, sim, espera. Lembrança que dói e faz sorrir, gente que fica em nós. Poder, continuar, sentir, estar com. Saudade.
Gente que nos olhou com os olhos mais doces e mais ternos. Gente que é braços quando pouco mais há a fazer.
Gente que é chão. Gente que se sente na saudade. Estar com. Doce. Não vou esquecer.
Percorro o labirinto que construo e perco-me, perco-me nas perdas que me vão consumindo.
Sei que há gente. Gente que é chão. Braços que me tomam. Gente que é chão em mim.

terça-feira, dezembro 04, 2007

Pequenos Grandes Consumidores

“Ocupar-se dos filhos não implica a quantidade de tempo. A qualidade da comunicação compensa a escassez de quantidade” (A. Naouri).

Estudo refere que apenas 6% dos pais portugueses brincam diariamente com os seus filhos, colocando assim Portugal no fim da tabela dos países da europa (fonte: telejornal).

Numa época onde a mulher, com a sua integração no mundo laboral, reduziu o tempo de dedicação aos filhos e onde o homem teve de envolver-se na educação dos mesmos, a quantidade e a qualidade de tempo privilegiado nas relações entre pais e filhos – momentos de brincadeira - está longe de ser o desejável.

A troca de tempo e de atenção dos pais por prendas e caprichos dá-nos algumas chaves sobre crianças que estam sempre a pedir coisas materiais.

Se acrescentar-mos a isto a televisão, que cumpre muito frequentemente as funções de companheira durante horas, e dos os anúncios que procuram astuciosamete seduzir as crianças de modo a que estas acabam por acreditar que têm necessidade de ter os objectos anunciados, teremos um panorama completo sobre as causas do consumismo infantil.

Os pais cobrem essas necessidades irreais e, na verdade, acabam por contribuir para transmitir a ideia de utilizar os outros como meio de alcançar os seus fins. Não se está a procurar a correcta socialização da criança.

Para “não traumatizar”, os pais não introduzem o “não” na linguagem dos filhos. É importante que desde uma fase precoce, as crianças sejam acostumadas a não terem tudo o que pedem, mesmo que economicamente seja possível. As crianças devem avaliar as coisas, aprender a esperar, a desejar o que querem, a esforçar-se para conseguir o que anseiam, e, a não ficarem frustradas quando não podem obtê-lo. De outro modo, começam a não dar volta as coisas e acabam por desvalorizar as pessoas.

A sociedade consumista não ajuda a criança a frustrar a sua omnipotência infantil, mas alimenta-a com a sua oferta para cobrir as suas necessidades e desejos, a ser possivel de maneira imediata. As crianças não estão a aprender a esperar para atinguir um objectivo, o que querem têm de obtê-lo “já”, no momento.

Hoje, os quartos das crianças estão repletos dos mais recentes brinquedos. Não se deve mergulhar as crianças em brinquedos, porque, além de as tornar incapazes de apreciar o valor de cada um, proporcionamos-lhe ansiedade e a interiorização de um premanente consumo.

O melhor dos brinquedos são pais disponíveis para brincar, amigos, um lugar para poder brincar com plasticina ou tintas sem medo de sujar.

Numa época em que o Natal se avizinha, e onde se verifica o “corre corre” dos pais e familiares junto das lojas de brinquedos em busca da satisfação dos intermináveis pedidos na carta ao Pai Natal, é importante reforçar que não se deve comprar complusivamente, nem deixar-se guiar unicamente pelas crianças, pois estas sofrem a pressão da publicidade. Por isso, é necessário moderá-las, pôr-lhes limites, fazê-las compreender.

É muito positivo fazê-las saber que há outras crianças que não têm brinquedos, como forma de semear a semente da solidariedade e de erradicar o egoísmo precoce.

A actividade lúdica é fundamental para o desenvolvimento global da criança. Os adultos têm de deixar que brinquem como querem e dotá-las, isso sim, de um ambiente seguro, e de amor.

O tempo e o carrinho não podem ser substituidos por nada.

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Vicissitudes da análise

Um leitor do Salpicos, Eduardo, enviou-nos um post muito interessante e o qual passo a transcrever:

Um sociólogo muito interessado em questões pós-modernas, Zygmunt Baumann (traduzido já entre nós), terá um dia afirmado que «os cientistas sociais não resolvem os problemas, cansam-se deles». Seja ou não verdade a afirmação, e a sua paternidade, ela foca um problema real, comum à psicanálise e às ciências sociais, de que pelo menos certos ramos da psicologia fazem parte: quando os problemas constantemente se renovam e a possibilidade de uma solução total e definitiva parece excluída, como é o caso dos problemas sociais (incluindo os individuais), ficamos perante uma alternativa sombria – a simples desistência da análise ou a medicamentação (uma outra forma de desistência, aliás). É um cenário também ele de ir às lágrimas, para evocar o tema de um post que causou aqui, recentemente, alguma controvérsia.
O que fazer quando nos sentimos cansados da análise interminável, mesmo quando terminada? A pergunta pode não ter resposta, mas terá interesse mesmo para não freudianos, suponho.

Obrigado, Eduardo.

domingo, dezembro 02, 2007

Desporto na prevenção da toxicodependência

Todos sabemos os benefícios da prática desportiva, sobretudo em adolescentes, mas porque surge ultimamente o desporto associado às campanhas de prevenção para a toxicodependência?

Interessa antes de mais pensarmos como a pratica do desporto e o consumo de drogas expressam formas tão distintas de nos relacionarmos connosco próprios e com o nosso corpo. Enquanto o desporto está sempre associado a uma atitude de construção, desenvolvimento, crescimento, o consumo das drogas espelha uma atitude de autodestruição, uma postura tóxica e corrosiva para a nossa saúde e desenvolvimento.

Tem existido nos últimos anos um esforço por parte dos governos, da sociedade e dos média no esclarecimento acerca desta realidade, e todos sabemos hoje, muito mais e melhor do que há uns anos, os malefícios dos consumos de droga e as consequências reais da dependência de drogas. Importa então saber o que leva os jovens de hoje – informados e esclarecidos -, a consumirem drogas?
Parece-me evidente que existem questões ambientais e sociais que o propiciam ainda hoje estes consumos, mas por outro lado há também ainda uma desresponsabilização face às consequências dos consumos continuados e das dependências.
Dizer hoje a um jovem pré-adolescente ou adolescente, que com 30 anos terá problemas devido aos consumos de substâncias tóxicas não pode ser levado em consideração porque não há por parte do jovem um verdadeiro contacto com essa realidade, nem a possibilidade de elabora-la e integra-la no seu comportamento.

Também por isso houve uma adaptação das campanhas no sentido de focarem aspectos que de alguma forma tocam e comunicam com os adolescentes, daí as campanhas anti tabagistas adoptarem por uma linguagem dentro da linha “fumar não é cool”.
No entanto, quando praticamos desporto, as consequências dos consumos de drogas e da adopção de comportamentos tóxicos para o nosso corpo e para a nossa saúde, ficam evidentes no imediato, torna-se factor decisivo no nosso desempenho e na prática desportiva.
O desporto exige sempre uma postura positiva para com a vida, uma vontade de chegar mais longe, de fazer melhor, e só por si, a prática desportiva promove uma maior consciência corporal, uma maior vontade de cuidarmos de nós, através da adopção de comportamentos mais respeitadores do nosso corpo e da nossa saúde.

Por outro lado, numa visão social destes aspectos, a prática desportiva oferece aos jovens a integração num grupo. Como todos sabemos os consumos de drogas são um comportamento marginal (na medida em que são recusados pela sociedade) e são também normalmente recusados dentro de um grupo desportivo, que se caracteriza essencialmente por uma postura mais saudável para com a vida.
Mesmo que um jovem tenda a enveredar por comportamentos mais disruptivos, como os consumos de drogas, o grupo, tenderá a recusar esse tipo de comportamentos, tentando anula-los ou rejeita-los.

Os consumos de drogas surgem frequentemente no seio de estruturas familiares ou sociais fragilizadas, e a inserção no grupo oferece ainda um sentimento de acolhimento, de pertença e de igualdade, restabelece a capacidade de fazer face às dificuldades próprias de um período tão turbulento como a adolescência.
Num grupo desportivo alicerçam-se ainda laços de amizade que se constituem como o suporte para a vivência e a possibilidade de ultrapassar angustias, duvidas, inseguranças e incertezas individuais.
A adesão e integração num grupo fazem parte de uma das mais ricas e saudáveis experiências da adolescência. A estruturação da identidade e da individuação desenvolve-se no seio de uma dinâmica grupal, através da identificação com comportamentos, ideais, hábitos de determinados grupos. O grupo desportivo oferece uma espécie estrutura social onde predominam os hábitos saudáveis e as praticas individuais em prol do esforço comum.

Ainda assim, e porque continuam a existir consumos de drogas preocupantes entre os jovens, e porque o desporto é um aliado à prevenção da toxicodependência, mas não se constitui por si só como a solução para um problema tão complexo, reforço que: Não é novidade que o consumo de drogas é prejudicial, mas para abraçarmos esta realidade temos de perceber o que faz com que os jovens informados e esclarecidos não resistam ao contacto com uma realidade distorcida e a um humor disfórico, um falso frágil e efémero estado de ânimo.

domingo, novembro 25, 2007

Forum de ansiedade/fobia social

O Fórum de Ansiedade e Fobia Social nasceu em Janeiro deste ano e é um espaço onde todas as pessoas interessadas sobre este assuntos, técnicos e não técnicos, podem abertamente falar e trocar opiniões.

Não deixe de o visitar e de se inscrever:

http://fobiasocial.forumvila.com

quarta-feira, novembro 21, 2007

WORKSHOP SONHOS E PSICODRAMA JUNGIANO

No dia 24 de Novembro decorrerá o Workshop SONHOS E PSICODRAMA JUNGUIANO com Wilma Scategni (9.30H-18H).

Este Workshop, que será dirigido em Inglês (com tradução em simultâneo), consiste numa oportunidade rara de vivenciar os principais conceitos da Psicologia Analítica de Jung no que se refere ao seu desenvolvimento e à sua aplicação específica na dinâmica de um grupo. Irá ser analisada a relação entre o inconsciente pessoal e o colectivo, a relação entre os conceitos de"duplo" em psicodrama e de "sombra" em Jung, entre o conceito de "papel" e o de "arquétipo". Jung escreveu que "o Sonho é um Drama" ("the dream is a drama"), em que o sonhador é tanto o actor, como o director como ainda o espectador. Neste trabalho teremos a possibilidade de partilhar e de dramatizar os sonhos com o objectivo de explorar os personagens internos que habitam a nossa mente e a mente colectiva. O Psicodrama Junguiano permite um encontro profundo entre os membros de um grupo e criará naturalmente fortes ligações entre os participantes no workshop.

DIDATA - Prof Dra WILMA SCATEGNI

Foi psiquiatra no Serviço Nacional de Saúde Italiano, durante 15 anos. Foi directora de uma unidade de psiquiatria num hospital público. É directora de psicodrama e dirige grupos terapêuticos num hospital de dia.

Especialista em psicologia analítica e em técnicas grupais de psicodrama. Analista credenciada e Docente no C.Jung Institute, Zurique pela CIPA (Centro Italiano de Psicologia Analítica) e pela COIRAG (Confedarazione Italiana Rice Ricerca ed Analisi sui Gruppi)

Membro Fundador e da Direcção da FEPTO (Federação Europeia de Psicodrama).

Presidente da GAJAP (Group psychotherapy and psychodrama Association de base em Psicologia Junguiana)-Accredited CEU(Continuing Education Unit)em Itália e no estrangeiro.

Presidente anterior na APRAGI (Association for Research and Training in Psychotherapy and Institutional Analysis), que é membro da IAGP, (International Association of Group Psychotherapy.and Group Processes).

Directora de revista Anamorphosys-Gruppi,Psicologia analitica,Psicodramma.

Autora de muitos artigos no tema da Psicologia Analítica, Psicoterapia de Grupo, Psicodrama e de um livro traduzido em Alemão,Italiano,Espanho e Inglês: Psychodrama, group processes and dreams-Archetypal Images of Individuation-Routledge,London,April 2002
.


Investimento:
Profissionais: 100 euros
Estudantes e Sócios SPP : 80 euros

(inclui documentação e coffee breaks)

Transferência bancária através do
NIB 0033 0000 00027989933 05
(Guarde o comprovativo)

Formação reconhecida pela Sociedade Portuguesa de Psicodrama com 6 horas de crédito na formação.

Inscrições
Envie um email para maciel.manuela@gmail.com
ou telefone para 962 862 962 ou 919 400 061

(nº de inscrições limitadas)

Local : Hotel Riviera, Praça do Junqueiro, Carcavelos
(Junto à praia de Carcavelos)

Organização: Sociedade Portuguesa de Psicodrama
Coordenação: Manuela Maciel

segunda-feira, novembro 19, 2007

Pedras e Perdas

Pedras que se perdem. Perde-se nos passos que a perseguem. Pedras que a seguem na paciência de uma calçada.
Pedras que se perdem, e perdas que se ganham, que se pisam num chão que não respira.
Pisa e pensa quem a terá seguido no caminho que faz perdida de medo e sonho, num chão que não respira.
‘Não tenho coração’.
Perde-se e perde todos nos labirintos que constrói para que nada a possa alcançar.
Perde o sentido das pedras, perdas que pisa para nunca chegar a lado nenhum.
O vento leva-a, coloca-a, mergulha-a no que não sabe de sentido.
‘Não tenho coração’.
Tem um muro que se constrói num espaço esquecido de paredes e pedras que a protegem e perde-se de si.
Sombras que se revelam na luz ténue de tudo que se apaga.
Pisa perdas, pedras que a confundem, caminha na paciência das calçadas que constrói.
Olha à volta. Chão, pés descalços de frio e sujo. Um atrás do outro, ou o primeiro na frente do segundo.
Não vai a lado nenhum, num chão que não respira, que não ousa pisar.
Pensa como pisa. Pisa como pensa. Descalça, quase nada. Muros que envolvem o coração que não tem.
Perde-se nas pedras que perdem sentido.

sexta-feira, novembro 16, 2007

Mediação de Conflitos

Hoje, bem cedinho pela manhã, ouvi uma notícia na rádio que falava sobre mediação de conflitos na escola.
Parece que esta é uma iniciativa recente e inovadora na Damaia, numa escola de 2º e 3º ciclo. É um novo curso que está a ser ministrado em 8 alunos, dotando-os de competencias para intervir ao nível da mediação de conflitos dentro do espaço escolar. Ajudam nas filas do refeitório, nos intervalos, e noutro tipo de tarefas, sempre numa perspectiva tutorial de mediação, eliminando possíveis conflitos.
São jovens entre os 11 e os 15 anos que não são propriamente uns azes da escola, mas que podem ser canalizados para outro tipo de conhecimentos, com conteúdos mais práticos.

Não conhecia esta iniciativa, e apenas ouvi uma parte do que parecia ser uma reportagem, mas certamente vou averiguar.

Este pequeno excerto fez-me recordar muito a pedagogia de João dos Santos, onde tentava adequar as matérias às vivências dos alunos, tentando produzir iniciativa para a exploração escolar. Aqui parece-me que estamos a funcionar neste mesmo sentido, tentando que o espaço escolar ofereça a estes jovens uma oportunidade de entendimento consigo mesmos e com os outros, funcionando em prol de comportamentos mais saudáveis e estruturantes.
Porque dentro deste espaço escolar congregam-se jovens com vivencias familiares similares, com processos a correr em tribunal, uns como agressores, outros como vítimas...

"Control", o filme sobre Ian Curtis.


Control" versa sobre a vida do vocalista dos Joy Division, Ian Curtis, desde os seus dias de estudante em 1973 até à véspera da 1ª tourné da banda aos EU em 1980.
O filme explora as pressões que este sentiu, desde a sua epilepsia, ao seu casamento falhado, ao seu novo amor, a uma banda que confiava no seu talento; tudo numa tentativa de explicar a sua decisão de se enforcar aos 23 anos.
O filme baseou-se na biografia de Deborah Curtis "Touching from a Distance" e foi fortemente aclamado no Festival de Cannes em Maio de 2007.
Recomenda-se pela sua densidade...

Website oficial do filme "Control":
http://momentum.control.substance001.com/

quarta-feira, novembro 14, 2007

Desencontro de Fantasias III

E agora?
Chegou a altura de iniciar o processo de escolarização de crianças com deficiência. Para a escola, e desde o J.I. e até mesmo antes, existem serviços de Intervenção Precoce do Ministério da Educação que destaca educadores especializados para trabalhar com os meninos com deficiência, quer em casa (antes da escolarização), quer nos jardins infantis.
Depois, para cada tipo de deficiencia accionam-se técnicos para trabalhar com as crianças promovendo o quanto mais a sua autonomia, competencias emocionais, socias, actividades diárias...
Junto dos pais podem-se fazer planos de apoio à família permitindo perceber, com esta e através desta as expectativas, anseios, dificuldades e o que esperam que a criança adquira

Mas esta fase é uma fase deveras importante e os técnicos necessitam estar envolvidos e perceber as dificuldades destas famílias, pois por vezes, criam-se guetos difíceis de ultrapassar porque parece que as partes estão a correr em sentidos opostos, mas na realidade, todos tentam percorrer o mesmo caminho, a mesma estrada, tentam afastar os mesmos obstáculos...

É importante falar, escrever, pensar sobre estas coisas, pois por vezes, é difícil perceber alguns comportamentos e atitudes. Por um lado os pais, querem, esperam e necessitm de verificar as aprendizagens que os seus filhos fizeram, e quando estas fogem ao esperado, ao que todas as outras crianças adquiriram, lá vem novamente toda a frustração que até então parecia resolvida, ultrapassada,

Aqui o importante é que estes pais aprendam a se sentir valorizados através destes filhos e que os técnicos sirvam de elo de ligação entre as dificuldades e as competências e que contenham as frustrações destes pais e que com estas e através destas possam chegar a uma metodologia de trabalho, de enriquecimento curricular, de compensação narcísica e de reencontro familiar.

Porque todo o sucesso académico, familiar, depende da motivação da criança, da família e dos técnicos envolvidos

todas estas questões, de encontros e desencontros parentais, de vivencias frustradas e compensadas aparecem bem retradas num livro de Júlia Serpa Pimentel - Um bebé diferente.

E como o conto de que vos falei, se nunca deixarmos de pensar nos encantos da Holanda, das tulipas, dos Rembrandts, nunca poderemos apreciar as delícias da Itália...

terça-feira, novembro 13, 2007

Para pensar!


"Há duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana. E quanto à primeira não tenho bem a certeza."Albert Einstein


Será que é mesmo assim...?

Seminário em Cascais - O Corpo Adolescente


Vai realizar-se no próximo dia 19 de Novembro no Centro Cultural de Cascais um seminário intitulado O CORPO ADOLESCENTE.

Após a realização do 1º Seminário do Espaço S, "Adolescência em Perspectiva", dedicado à temática da Identidade na Adolescência, o Centro de Atendimento a Adolescentes (Espaço S) sedeado no concelho de Cascais e resultado do protocolo entre a Câmara Municipal de Cascais, Centro de Saúde de Cascais e a Associação de Planeamento Familiar - APF, vem propor mais uma reflexão conjunta em torno das problemáticas relativas a esta etapa da vida.

Sabemos que as alterações corporais, causadas pela puberdade, são o primeiro sinal visível do complexo processo biopsicosocial que é a adolescência. O corpo torna-se palco de preocupações existênciais, estéticas de aceitação e de rejeição, de atenções diversas, e por vezes, até alvo de agressões que põem em risco o próprio adolescente. A funão de harmonizar corpo e mente é o desejo de todos os jovens, sendo que tal tarefa uma vez conseguida os levará à construção de uma imagem de si mais consistente.

Este 2º Seminário do Espaço S, "O Corpo Adolescente", convida todos aqueles que se interessam e trabalham junto da população juvenil a partilhar os seus saberes, questionando de forma construtiva a implementação destes na prática do dia-a-dia.

Entrada Livre - Sujeita a Inscrição Prévia
Câmara Municipal de Cascais - Divisão da Juventude - Espaço S - Av. Valbom, nº 21, 2750 - Cascais FAX.: 21 483 91 94 ou email m.fatima.andrade@cm-cascais.pt

segunda-feira, novembro 12, 2007

Desencontro de Fantasias II

Após um até amanhã com uma semana de intervalo (questões que se prendem com a linha de internet) cá me encontro para acrescentar algumas questões sobre as vivencias parentais de crianças com deficiência, sua integração na vida escolar e seu desenvolvimento.

Acho pertinente falar sobre estas questões, mais num tom reflexivo, para que todos possamos pensar naquilo que está a ser dito, aquilo que os pais experienciam, aquilo que os técnicos conhecem ou desconhecem, pedem, exigem, ripostam....

Depois da consternação, do luto, da raiva, há um despertar para as reais necessidades dos seus bebés e o que é preciso por eles fazer. Há uma caminhada longa pelos médicos, terapeutas, técnicos de várias valencias, na tentativa, de para além de encontrar a razão para a deficiencia do seu filho, dar-lhe tudo o que ele necessita.

Passa-se de hospital em hospital, de consulta em consulta, de deslocação em deslocação em deslocação, alguns dias perdidos no trabalho, umas horas a mais noutros dias para compensar...

e lá estão os pais a aprender sobre os seus filhos, acerca do que eles sabem fazer, o que adquiriram, o que tem que adquirir, os pontos mais fortes, os mais fracos, mas a constante necessidade de um diagnóstico, uma explicação real para as dificuldades do seu filho

É o trabalhar com eles nas aquisições básicas, nas rotinas do dia-a-dia, como em qualquer criança, mas aqui, o trabalho tem que ser redobrado, contínuo

Cada pai vive internamente um dilema, uma dúvida constante, será que o meu filho é capaz de realizar estas actividades? será que puxo demais por ele e ele não é capaz de responder? será que estou a fazer bem? será que estas dificuldades são temporárias? porque será que não consegue fazer estas tarefas tão simples que as outras crianças fazem?

Cada dia é um desafio, cada aquisição é uma conquista, cada passo é uma incerteza, havendo porém a certeza que este filho lhes pertence e que existe muito a fazer por ele, e que ele é capaz de lhes oferecer tanto

...

mas por vezes vem algum abatimento, alguma frustração, a incapacidade para não conseguir dar ao filho o que acham que ele necessita, a pressão do trabalho, da vida diária...

pensemos, reflictamos um pouco sobre estes aspectos, que amanhã voltarei para pensarmos/falarmos sobre a entrada no jardim infantil, e como tudo é vivido/sentido

Até amanhã

sábado, novembro 10, 2007

Entrar

Sentir que tudo nada é foi será sentir que nada tudo é foi. Talvez um dia possa entrar na casa com chão precário e mexer nos papéis e nas fotos que espalham e espelham a confusão de dentro.
Quem serão estas caras, estes sonhos, estes olhos, estaria frio? Frio como este que junta o corpo, faz encolher, existir pouco, para que pouco tenha frio. Ou juntar tudo que resta e ser menos, e mais quente. Papéis velhos de tanto estarem a respirar e ser pó e peso, e lixo, e coisas que querem ser lidas e vistas, e sentir que nada é foi será sentir que nada tudo é foi. Dói.
Fotografias, momentos maiores que o tempo, momentos no momento maior do tempo, que tempos, momentos, medem-se no sentir. Que nada foi é dói, tudo, nada será sentir que foi. Dói.
Entrar na sala com o chão precário, com chão que existe entre o ser ainda chão e não ser mais chão. Sentir que nada será sempre, tudo foi sempre, nada é foi. Nunca será.
Talvez quando o chão cair seja mais seguro. Dói como quando só se sente, sem poder dizer.

terça-feira, novembro 06, 2007

A Procrastinação!

Após ter adiado sucessivamente escrever este post. Resolvi escrever justamente acerca disso... o adiar sucessivamente.
Recorri ao meu velho dicionário de psicologia, mas sem êxito. A procrastinação é uma definição recente, assim recorri aos dicionários virtuais para obter uma boa definição do problema.

O termo vem do latim procrastinatus, em que pro (à frente) e crastinus (de amanhã). Ora o amanhã que se apresenta á nossa frente não seria um problema se não apontasse-mos tudo para essa data... amanhã!
Amanhã também é a data em que começam 90%, ou mais, das dietas, programas de exercício físico, pagamentos de dividas ao fisco entre outras!

Já diz o povo “Pagar e morrer quanto mais tarde melhor”. Pergunto-me se os povos do sul da Europa tem mais enraizado na sua cultura o adiar sucessivo das tarefas?
Por outro lado, alguns poetas dizem que “hoje é o primeiro dia do resto da minha vida!”

Agora estou baralhado... será que ao viver hoje como o primeiro dia podemos deixar algumas coisas chatas para amanhã? Ou se, não tivermos a certeza que amanhã cá estamos, o que fazer hoje?
Este parágrafo também não deve ter ajudado muito para os leitores... ou talvez sim? Pois depende como vemos a vida. Como um acumular de dias, ou como um subtrair de dias. Lá vamos nós para história da garrafa meia cheia ou meia vazia... Tudo depende! Se que queremos beber mais ou se já bebemos o suficiente.

Se uns adiam as tarefas para estar com os amigos, visto que amanhã pode acontecer uma desgraça e assim foi gozar a vida até ao fim. Outros vão deixar de estar socialmente porque amanhã podem acabar aquilo que começaram hoje mas que não ficou feito por causa de não saber ao certo qual o propósito ou a importância pessoal da tarefa.

Para rematar este texto que corre o risco de se tornar longo e maçador. Lanço um desafio aos que me lêem: “ O que é verdadeiramente importante na vida de cada um?”

Se a vossa resposta estiver de acordo com as tarefas que tem para fazer, então calculo que não as adiar muito.
Se mesmo assim as coisas não fluem... isso poderá dizer que as vossas tarefas não estão de acordo com o que é verdadeiramente importante. Neste caso poderão rever as frases que a palavra “devia” está inserida, e substituir por “queria”. Eu vou dar um exemplo:
“Eu devia trabalhar mais, mesmo que passe menos tempo com a família!”
“Eu queria trabalhar mais, mesmo que passe menos tempo com a família!”

Se muitos dizem a primeira frase, poucos dizem a segunda... a não ser que desejem divorciar-se... mas atenção! Se fazem isto sem dar conta é porque não responderam á pergunta “O que é verdadeiramente importante na minha vida?”

Para mim agora o importante é fazer uma faísca na vossa mente que vos permita pensar, para que possam viver com a sensação de plenitude que todos merecem.
Claro está que podia fazer mais pesquisa, refazer este texto vezes sem conta para atingir um estado de perfeição minimamente aceitável... mas isso seria simplesmente mais uma forma de adiar a tarefa!

segunda-feira, novembro 05, 2007

Desencontro de Fantasias

Tal como o próprio nome indica, uma fantasia está arreigada ao mundo fantástico, imaginário . Fantasiar faz com que a nossa vida seja pautada de desejos, de vontades, de avanços, tal como a célebre frase "quando o homem sonha o mundo pula e avança", fantasiar, sonhar, leva-nos a patamares de vontades, de alegrias, de emoções que depois precisam de ser ajustadas ou re-ajustadas.
Ao colocar o título a este post "Desencontro de Fantasias" estava a pensar no nascimento de um bebé diferente, que foge em larga medida das fantasias da gravidez.
Tal como em qualquer gravidez existem fantasias associadas ao nosso bebé, como será ele, se é menino ou menina (caso não saiba o sexo à priori) se terá olhos azuis, verdes, castanhos, se cabelo claro ou escuro, liso ou encaracolado, se sai ao pai á mãe... e aquando do nascimento do bebé real, há que fazer o encontro entre o bebé real e o bebé imaginário, fazendo o luto das fantasias associadas à gravidez.
E quando nasce um bebé com diferença? que foge por completo às fantasias dos pais? que não vai minimamente de encontro ao idealizado? mas que assim que nasce está àvido de carinho, de afecto, de contacto, e a mãe, sem ter tempo para fazer o seu luto, de viver o seu desapontamento, de tentar perceber o que se passou, tem que de imediato entrar na reciprocidade com o seu bebé.

Como é pensar desta forma? Como é que se faz este movimento? Quais os mecanismos que se têm que accionar de imediato? Como é isto de ter um bebé diferente? Como é que aconteceu? O que falhou? Quem são os culpados? É hereditário? Foi à nascença? Fomos nós pais?

Estas são muitas das questões que assolam o pensamento dos pais que se deparam com um bebé com diferença. Tal como em outros post's onde referenciei o que é a diferença ilustrado por contos, por histórias que retratam as vivências parentais, há que haver um período de consternação, de zanga, de raiva, mas depois tem que haver um movimento contrário, de encontro com o bebé, ainda que diferente, um bebé com capacidades próprias, com características específicas, capaz de entrar na reciprocidade parental, de receber e dar carinho; o que tem que existir é um enquadramento na forma como aquela criança, aquele bebé nos dá carinho, amor, se desenvolve e cresce.

Deixo estas pequenas /grandes palavras, questões para que possamos reflectir um pouco, e amanhã continuarei...

Até amanhã

sexta-feira, novembro 02, 2007

“Insatisfação, Vazio Mental e Mal Estar”, 1º Encontro do Centro de Estudos Psicanalíticos de Coimbra.

Vai realizar-se nos próximos dias 9 e 10 de Novembro o 1º Encontro do Centro de Estudos Psicanalíticos de Coimbra sobre o tema "Insatisfação, Vazio Mental e Mal Estar", no Auditório do Instituto da Juventude de Coimbra.

O programa consta do seguinte:

Sexta-feira, dia 9 de Novembro

"O Vazio Psíquico contra a depressão: Agir, Futilidade e Falha na Representação de si"
Carlos Farate
Comentador: Rui Coelho

"Vazio e Funcionamento Mental"
Moderador: José Augusto Dória
Participantes: Carlos Vieira, Ana Pais, Rosina Pereira

"Mal Estar e Violência"
Luísa Vicente
Comentador: Fernanda Alexandre

"Novas (Velhas) Patologias"
Moderador: António Mendonça
Participantes: Conceição Almeida, Sónia Coelho, Nelson Barros



Sábado, 10 de Novembro

"Mal Estar na Civilização"
Carlos Amaral Dias
Comentador: José C. Coelho Rosa

"Sempre a Abrir: o Agir como Forma de Vida"
Moderador: Fátima Sequeira
Participantes: Jorge Câmara, Fátima Neves, Rui Aragão

"Psicossomática Estrutural"
Jaime Milheiro
Comentador: Jorge Bouça

"O Corpo é que Paga: Lacunas de Mentalização"
Moderador: Teresa Nunes Vicente
Participantes: Mendes Pedro, Rosa Rebelo, João Santana


Informações e Secretariado
Rua Oliveira Matos, 17
3000 - 305 Coimbra
Telf. 239824557
Email: edite@ismt.pt

quinta-feira, novembro 01, 2007

Percursos com António Coimbra de Matos


No dia 5 de Novembro pelas 21:00h no Teatro Municipal de São Luís ao Chiado vai realizar-se o lançamento do livro "Percursos com António Coimbra de Matos" exibição do documentário com o mesmo titulo.

Esta iniciativa, será prestigiada com a participação do Prof. Doutor António Coimbra de Matos e do Dr. Carlos Vaz Marques (apresentação), a entrada será livre, sendo servido um Porto de Honra no início do programa (cerca das 20h30).

Para mais informações e visionamento do trailer vá ao site da Climepsi

quarta-feira, outubro 31, 2007

Transferência e contra-transferência em Avaliação Psicológica!

É frequente falarmos de transferência e contra-transferência num contexto psicoterapêutico, mas é menos frequente pensarmos nos aspectos da transferência quando fazemos avaliação psicológica.
Ainda que pensemos nesse factor quando interpretamos os dados da entrevista, raramente o fazemos no que diz respeito aos resultados das provas, e até à forma como elaboramos o relatório.

A transferência influencia-nos desde a escolha das provas e pode interferir significativamente nos resultados.

Se uma avaliação psicológica é um método que procura a exactidão, nós, técnicos envolvidos devemos estar também atentos à subjectividade e considerar a interferência destes aspectos.

Não quero com isto dizer que devemos analisar e utilizar a transferência como mais um método de avaliação e de diagnóstico, mas sim atender à sua influência no nosso trabalho, que se pretende que seja rigoroso e exacto.

domingo, outubro 28, 2007

Reflexo


Sem querer tirar o mérito a Nuno Júdice, acrescentaria ao seu título Reflexo, ou o Mito de Narciso, pois as suas palavras retratam o sentimento de frustração e exclusão daquele que vive uma relação onde não há lugar para o outro.

"Sem nada para fazer, olha-se no espelho do quadro, procurando uma resposta. Ou será o contrário, sendo ela uma projecção da sua própria imagem? No fundo, é o movimento do olhar que vai de uma para outra que impede uma certeza: se é no horizonte do quadro, de cuja perspectiva ela faz parte, que se encontra a realidade, ou se é no pensamento da mulher que vê o seu reflexo que o mundo se descobre, para que ambas se reconheçam a mesma?
Olho-as: e também eu não sei a que espaço pertenço, quando a janela está aberta, e a luz que entra me empurra para fora, onde uma primavera é possível. Elas, no entanto, não querem saber disto; e é como se a mulher que se ajoelha, na cadeira, esperasse o milagre que a faça sair do quadro, e avançar pelo dia, como a luz avança pela sala onde nada acontece, a não ser este olhar que as prende uma à outra, e me deixa de fora."

sábado, outubro 27, 2007

Sobre Respirar

E diminui, diminui o que sente, o que pensa, recolhe-se como se recolhem os homens secos e tristes e secos, e mortos, fica no fundo do escuro, e escuta, espera, o dia em que possa sair. Espera atento, e escuro, e escuta, e pensa o dia em que possa sair. Morre, riam-se, torçam-se linhas do destino. Guarda-se e protege-se, morre, escuta, escuro. E se o que escuta for escuro, e nada mais... e se nada. E se, não. Não. Espera, escuta, escuro, escreve. Desejo, deseja-se. Quer. Quer-se. Escuta. Amor.

sexta-feira, outubro 26, 2007

Violência Sexual - Psicopatologia



No dia 27 de Novembro, pelas 21:00h vai realizar-se na Faculdade de Medicina de Lisboa uma conferência intitulada "Maus Tratos na Criança e no Adolescente - Violência Sexual: Psicopatologia" será proferida pelo Prof. Doutor Juan Eduardo Tesone e comentada pelo Prof. Coimbra de Matos. A Entrada é livre.

Na sequência desta conferencia vai também realizar-se um curso sobre a mesma temática nos dias 27, 28, 29 e 30 igualmente em Novembro.

O Prof. Juan Eduardo Tesone é Professor na Faculdade de Medicina de Pitié-Salpêtroère; da Universidade de Paris VI; na Faculdade de Psicologia da Universidade de Ciências Empresariais e Sociais de Buenos Aires; Psiquiatra na Universidade de Paris XII; Membro da Sociedade Psicanalítica de Paris e da Associação Psicanalítica Argentina.

terça-feira, outubro 23, 2007

Sobre Vigorexia

Descrita pela primeira vez em 1993, por Harrisom Pope como anorexia reversa, e posteriormente como "complexo de adônis", a vigorexia é uma das mais recentes patologias emocionais estimuladas pela cultura.

Mais comum no sexo masculino, esta patologia caracteriza-se por uma preocupação excessiva em ficar forte. Os portadores dedicam muito tempo à actividade de modelação física, resultando em algum prejuízo sócio-ocupacional. Geralmente mantêm uma dieta rigorosa – comem de forma atípica e exagerada, acompanhada por complementos vitamínicos, hormonais e anabolizantes - para conseguirem o seu objetivo.

Os vigoréticos têm uma preocupação patológica em se tornarem o protótipo do homem moderno, supostamente desejável pelas mulheres. Há uma busca obsessiva no modelo de homem, com um corpo fibroso, definido e musculoso.

Próxima da anorexia nervosa, a vigorexia é uma patologia ligada à perda de controlo de impulsos narcisistas. Em ambas se verifica uma distorção da imagem que os indviduos têm sobre si mesmos: os vigoréxicos nunca se acham suficientemente musculosos, os anoréxicos nunca se acham suficientemente magros.

Entre os vigoréxicos, encontramos individuos com personalidade introvertida, cuja timidez ou retraimento social favorecem uma busca do corpo perfeito como compensação aos sentimentos de inferioridade. A obsessão com o próprio corpo é identico ao observado na anorexia nervosa.
Esta patologia tem como pricipais sintomas: insônia, falta de apetite, irritabilidade, desinteresse sexual, fraqueza, cansaço constante, dificuldade de concentração entre outras.

Apesar de não estar incluida nas classificações tradicionais de transtornos mentais (CID.10 e DSM.IV), o quadro descrito mais associado é a Dismorfia Muscular (ou Transtorno Dismórfico Muscular), patologia psíquica dos individuos excessivamente preocupadas com a própria aparência, constantemente insatisfeitos com os seus músculos e que se encontram continuamente em busca da perfeição corporal.

Podemos encontrar várias características comuns entre a vigorexia e a anorexia nervosa:
- Preocupação exagerada com o próprio corpo
- Distorção da Imagem Corporal
- Baixa autoestima
- Personalidade Introvertida
- Factores sócio-culturais comuns
- Tendência a auto-medicação
- Idade de aparecimento (adolescência)
- Modificações da dieta

Como diferenças básicas podemos destacar: na vigorexia encontramos geralmente individuos do sexo masculino, com uma auto-imagem de fraco e que utiliza o recurso a anabolizantes; na anorexia nervosa encontramos individuos do sexo feminino, com uma auto-imagem de obeso e que utiliza o recurso a laxantes e diuréticos.

Embora não tão popularizada como a anorexia nervosa, a vigorexia é uma patologia que pode igualmente causar graves problemas fisícos aos seus portadores, muitos dos quais irreversiveis, por este motivo todos devem estar atentos a este novo fenómeno cultural.

GEORGE STEINER EM LISBOA

Georges Steiner, talvez o maior pensador actual, faz uma conferência na Gulbenkian, quinta, dia 25 às 10.30 (Auditório 2), sobre os limites da ciência.
Steiner tem vários livros publicados em português: A Ideia de Europa, A Barbárie da Ignorância, As Lições dos Mestres, O Silêncio dos lIvros, A torre de Babel, Nostalgia do Absoluto, 4 Entrevistas com George Steiner, etc. Todos eles excelentes.
Será talvez a última portunidade de o ouvir, dado que já tem bastante idade.
E sempre poderemos contar aos nossos filhos ou netos!

sábado, outubro 20, 2007

Saber Dizer

Não saber dizer amo, odeio, sofro, paixão, amor, ódio, sinto. Não dizer, sinto, não dizer sinto. Fecha-se num quarto demasiado pequeno para o que não é. Para o que não sonha, nem sente, nem, nem, enm enem enem,en enmn nem é. Não pede, não desiste, está, num quarto demasiadamente pequeno para o que não é. As pernas começam a enrolar-se sobre si próprio, fecha-se também por fora. Não respira um ar fora de si há demasiados sopros que o sufocam. Sabe pouco, a não ser o que repete sempre para não esquecer, mas o que repete, o que é, e que sabe é pouco. Sabe que o mundo ficou pequeno fechado, sufocado, parado. Rola na cama como quem rola numa nuvem de vida e ar. Mas a cama queima, o lençol queima de gelo de o ter sempre e todos os dias. O mundo é seu, e não é nada. Tudo vai deslizando de si próprio, das mãos que é, treme, abre-se a carne no que resta de um corpo com forma. O lençol entra dentro de si. Rola como se este fosse o seu movimento máximo, como andam as pessoas no metro, a pé, de carro. Rola. Conta os anos que tem e que não sabe. Tem medo de não morrer. Tem medo de amanhã acordar de novo. Não saber dizer amo, odeio, sofro, não saber dizer quem é, o que é. Sabe contar com os dedos os anos que passaram. Duas mãos mais um dedo. Este dedo, que espera que não sejam dois, nem um de dia, quanto mais um dedo de ano. Não saber dizer.

sexta-feira, outubro 19, 2007

Time Out


A Time Out é das revistas mais emblemáticas de London. A primeira coisa que se faz chegando a Londres, ainda com a bagagem às costas, com os casacos pendurados, é comprar a Time Out. Num ápice ficamos a saber tudo o que de cultural há para ver, fazer, cheirar na cidade. Há de tudo, para todas as idades, para todos os gostos.
Em Lisboa saiu agora a Time Out Lisboa. O género é semelhante ao de Londres; os contéudos são lisboetas e a língua é a nossa. Neste caso, manter o estilo é manter a qualidade. Nada a opor, pelo contrário, só a favor.
Leiam e divirtam-se. Time Out!

quinta-feira, outubro 18, 2007

Maternidade e narcisismo.

Nancy Mcwilliams, no seu livro "Diagnóstico Psicanalítico", e acerca do Narcisismo, utiliza esta citação de uma amiga para expressar uma posição marcadamente não narcisica de uma mãe face à maternidade.

"Cada vez que eu engravidava, eu chorava. Perguntava-me de onde viria o dinheiro, como iria cuidar daquela criança e tudo o mais. Mas, por volta do quarto mês, começava a sentir a vida e ficava completamente excitada a pensar: Mal posso esperar que nasças e eu descobra quem tu és!"

Nancy reforça que esta postura contrasta com os sentimentos de um progenitor que "já sabe" o que a criança vai ser, alguém que realize as ambições falhadas da família.

É uma citação bonita, e a psicanálise também tem destas coisas...! ;)

domingo, outubro 14, 2007

Para amantes de ópera.

DE VIENA À
BROADWAY


AUDITÓRIO DA
REITORIA DA
UNIVERSIDADE NOVA
DE LISBOA
16 Outubro 2007
19:00h – Entrada livre

O Teatro Nacional de São Carlos e a Reitoria da Universidade Nova de Lisboa renovam a sua parceria para 2007.08.
O programa De Viena à Broadway, a 16 de Outubro, será o primeiro de três espectáculos programados entre Outubro e Dezembro de 2007.
A 21 deNovembro está agendada a interpretação de Ein Deutsches Requiem, de Brahms, e 14 de Dezembroo Coro Feminino do São Carlos interpreta um programa de Árias de Ópera.

sexta-feira, outubro 12, 2007

O sonho depois de acordar

Acorda. O braço responde. Ninguém chora do outro lado da porta. O dia é noite escura de uma lua cansada de muitos milhões de luares. Antes de os olhos se habituarem à escuridão que envolve, o cheiro a alfazema. A almofada segura a cabeça, a solidão ainda dorme numa cama demasiadamente grande para um só corpo, mas dá esperança, e medo, e ódio, e zanga, e sopro, e fúria, e sangue e medo, e nada, não há movimento. Olha a janela, cimento. Olha a porta, cimento. Olha para dentro dela, morte que é desejo de não mais viver. A mesa de cabeceira. Não há luz. O braço que mexe quer pegar nalguma coisa. Muito baixinho, sem acordar a solidão que a abraçaria, pega numa imagem de um anjo. Cabe-lhe na palma da mão, mas enche-a por dentro. Pede, pensa, reza, imagina. Um sonho sem paredes, um sonho onde as coisas simples voltam. Não consegue. Mexe-se de mais, a solidão acordou. Tudo fica mais em silêncio. Ouve sente, alguém que chora do outro lado do cimento. Uma mão agarra a almofada. Alfazema. Fecha os olhos. Larga o anjo. Alfazema. Silêncio. As paredes sangram cimento. Morre. Alfazema. O anjo no chão. O choro de alguém que chora encostado à porta. Chora uma lágrima que lhe borra o rouge. Cimento, rouge, alfazema. Alfazema.

quinta-feira, outubro 11, 2007

Seminário Dislexia!


A Sociedade Portuguesa de Psicologia está a organizar, um Seminário sobre Dislexia , que decorrerá no dia 23 de Novembro de 2007 no Anfiteatro da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

quarta-feira, outubro 10, 2007

Pena de morte.

Saiu hoje no Publico, um artigo sobre a pena de morte e os métodos utilizados nos diferentes países para a execução dos condenados.

Para mim este assunto é sempre chocante e levanta-me sempre tantas questões...

Hoje ficou-me esta questão:

Em que mundo vivemos nós para que não possamos praticar a Eutanásia mas possamos matar nestas situações e com estas condições?

O link da notícia: http://jornal.publico.clix.pt/default.asp?url=%2Fmain%2Easp%3Fdt%3D20071010%26page%3D5%26c%3DC

segunda-feira, outubro 08, 2007

Ciclo de Cinema e Saude Mental

II CICLO DE CINEMA DE SAÚDE MENTAL.

LOCAL: Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro – Antigo Solar da Nora, Estrada de Telheiras, 146, 1600-772 Lisboa.

ENTRADA LIVRE

PROGRAMA

Dia 09 de Outubro – 20h45 – "SPIDER" de David Cronenberg

Comentários: João Lopes – Crítico de Cinema na imprensa escrita e televisão.

Jorge Câmara – Psiquiatra e Psicanalista



Dia 16 de Outubro – 20h45 – "Volver" de Pedro Almodóvar

Comentários: Álvaro de Carvalho – Psiquiatra

Carlos Vaz Marques – Jornalista TSF

Deolinda Santos Costa – Psicanalista



Dia 24 de Outubro – 20h45 – "SARABAND" de Ingmar Bergman

Comentário: Carlos Amaral Dias – Psiquiatra e Psicanalista


Promete! Recomendo vivamente.

sábado, outubro 06, 2007

Os psicólogos também choram!


Por vezes ouço coisas que me fazem pensar. Uns dizem que os psicólogos não deviam isto, ou que não fazem aquilo… enfim uma balbúrdia de preconceitos que por vezes nos afectam mais que nós pensamos!

No meio desta balbúrdia, que pouco ou nada ajuda ao desenvolvimento pessoal do psicólogo, há um tema que raramente é abordado, o choro do psicólogo em sessão.

Claro que nós todos choramos fora das sessões, aliás alguns clientes estão em terapia porque não se conseguem emocionar, mas em sessão?

Será suposto um psicólogo chorar em sessão?
Eu acho que sim, sei outros também acham e que alguns o defendem como parte do processo terapêutico.
Outros dirão, “mas o psicólogo não pode chorar em sessão, senão perde o controlo!”

Mas desde quando chorar é perder o controlo?
Este preconceito de perda de controlo com o choro, impede as pessoas de viverem a tristeza e muitas delas acabam por deprimir.

Será que ao ouvir a tristeza dos outros não temos o “direito”, para não dizer o “dever” de chorar com o cliente?
Será que ao mostrar a expressão da tristeza vamos, não só validar o sofrimento do outro mas também dar espaço na relação para que o outro o faça?
Claro que não estou a falar de um pranto aflitivo de choro do psicólogo... apenas algumas lágrimas!!!

Existem outros meios para mostrar que estamos na relação e que contemos a tristeza do outro, mas serão tão próximos como mostrar a mesma emoção?

Sinto que ao falar de um ponto, falei de muitos outros e que todos estão ligados ao cerne da terapia … mas afinal qual é o cerne da terapia?

sábado, setembro 29, 2007

Blog sobre Saúde Mental e Adolescência

Recomendo uma visita ao Blog:


http://psiadolescentes.wordpress.com

Nas palavras de um dos seu autores, Diogo Guerreiro, interno de psiquitatria:

"Trata-se de um site generalista sobre a saúde mental na adolescência. Para que os adolescentes das nossas consultas (e não só) fiquem informados sobre as suas doenças, tratamentos, fases da adolescência, etc."


sexta-feira, setembro 28, 2007

Maus tratos ao idoso



O aumento do número de idosos no mundo é visto como algo preocupante para OMS no que concerne ao agravamento das situações de violência relacionadas principalmente com a ruptura de laços tradicionais entre gerações e com o enfraquecimento dos sistemas de protecção social. Prevê-se que o número de pessoas com mais de 60 anos duplique até 2025, passando de 542 milhões em 1995 para 1200 milhões nessa data, dos quais 850 milhões em países em desenvolvimento onde a preocupação fundamental é com a força de trabalho activa e não com a força de trabalho já consumida, como é o caso dos idosos. Segundo a OMS somente 30 % dos idosos do mundo inteiro estão actualmente a receber pensões de reforma ou subsídios de velhice e invalidez, o que torna muito precárias as suas condições de vida acabando por expô-los a riscos acrescidos de violência que tanto pode ser exercida em ambiente familiar como institucional ou social.
Segundo o Conselho da Europa, a violência está presente em qualquer acto de comissão ou omissão que seja levado a cabo contra a vida, a integridade física e/ou psicológica ou a liberdade da pessoa que compromete seriamente o desenvolvimento da mesma.
A declaração de Toronto, assinada pelos países membros da ONU em 2002 definiu “maus tratos ao idoso” como sendo qualquer acto isolado ou repetido, ou a ausência de acção apropriada, que ocorre em qualquer relacionamento em que haja uma expectativa de confiança, e que cause dano, ou incómodo a uma pessoa idosa.
Estes actos podem ser de vários tipos, segundo a classificação proposta pelo comité nacional de abuso de idosos nos Estados Unidos (Nacional Centre on Elder Abuse, 1998):
● Abuso físico – o uso não acidental da força física que pode resultar em ferimentos corporais, em dor física ou em incapacidade. As punições físicas de qualquer tipo são exemplos de abuso físico. A sub medicação ou sobre medicação também se incluem nesta categoria.
● Abuso emocional ou psicológico – inflicção de angústia, dor ou aflição, por meios verbais ou não verbais; a humilhação, a infantilização ou ameaças de qualquer tipo incluem-se nesta categoria.
● Exploração material ou financeira – uso ilegal ou inapropriado de fundos, propriedades ou bens do idoso.
● Abandono – a deserção de ao pé de uma pessoa idosa por parte de um indivíduo que tinha a sua custódia física ou que tinha assumido a responsabilidade de lhe fornecer cuidados.
● Negligência – recusa ou ineficácia em satisfazer qualquer parte das obrigações ou deveres para com o idoso.
● Auto-negligência – comportamentos de uma pessoa idosa que ameaçam a sua própria saúde ou segurança. A definição de auto-negligência exclui situações nas quais uma pessoa idosa mentalmente capaz (que compreende as consequências das suas decisões) toma decisões conscientes e voluntárias de se envolver em actos que ameaçam a sua saúde ou segurança.
Estudos publicados apontam para uma prevalência entre 1 e 5% de idosos abusados. Estima-se que praticamente 2 terços dos perpetradores de abusos de idosos são membros da família, com muita frequência o cônjuge/companheiro (34,6%) ou filho adulto da vítima (33,5%), contudo netos, noras, genros, vizinhos também se encontram entre os abusadores. Usualmente a pessoa que abusa do idoso está a explorar uma relação de confiança. Segundo dados da APAV de 2006 os abusadores são usualmente homens (73%) e as vítimas de abuso são na sua maioria mulheres (80%). Em 57% dos casos o agressor vive na mesma casa que o idoso.
Sendo preocupante a frequente ausência de denúncias de muitos destes abusos que se prende com o facto do idoso estar frequentemente unido por laços de consanguinidade ao abusador, não tendo por isso coragem para denunciar estas situações por sentimentos de culpa, vergonha, medo das represálias (perda da autonomia, alteração do local em que habita nomeadamente ser colocado numa instituição, perda do cuidador mesmo sendo este o abusador, medo de ficar só sem alguém que dele cuide, entre outras), ninguém acreditar no abuso, baixa auto-estima (do idoso).
Face a este cenário o que será necessário fazer para impulsionar a procura de ajuda por parte desta franja da população vítima destes abusos? O que nos cabe a nós, psicólogos/psicoterapeutas, fazer? Deixo o alerta e aberto o debate!


segunda-feira, setembro 24, 2007

"Childre See, Children Do" (?)

video


A "Aprendizagem por Modelação ou Observação" foi como nos habituámos ler nos manuais aquilo que neste filme se apresenta de uma forma caricatural. É, segundo sei, da autoria da "Childfriedly.org" e corre pela Internet há já algum tempo. Fala por si.

quinta-feira, setembro 20, 2007

"Barreira de Contacto"

Nasceu em Julho um novo blog sobre psicologia e psicanálise, organizado por um amigo e colega, o Dr. João Balrôa. Parabéns João.

Aconselho a todos os que se interessam por estes temas a estarem atentos a este blog que já é muito interessante e tornar-se-á ainda mais com o nosso incentivo. Vão lá ver!


barreiradecontacto.blogspot.com

sexta-feira, setembro 14, 2007

Conferencia na Faculdade de Medicina de Lisboa

A Faculdade de Medicina de Lisboa, tem o prazer de o convidar a assistir à conferência intitulada “O Papel do Psicanalista no Processo de Cura” proferida por Bernard Penot, no âmbito do Mestrado de “Vitimização da Criança e do Adolescente”.

A conferência terá lugar na Aula Magna da FML no dia 14 de Setembro (sexta-feira - 21 horas), e será comentada por Carlos Amaral Dias e contará com as participações de António Coimbra de Matos, Luísa Branco Vicente e Pedro Luzes (entrada livre).

O Amor Virtual

Sabemos que é cada vez mais frequente o número de pessoas que se conhecem pela Internet, que marcam encontro e, algumas acabam por casar.
As transformações ocorridas na sociedade nas últimas décadas levaram ao aparecimento de novas formas de relacionamento que exigem novos olhares de compreensão e reflexão. Antes da Internet já tínhamos os serviços telefónicos como o telessexo, programas televisivos, e agências matrimoniais em que as pessoas vão em busca de namoro e casamento.
Quais as razões que levam as pessoas a procurarem estes recursos em busca do amor? Podemos evocar a solidão mas parece-me demasiado simplista e não abrange a complexidade da sua ocorrência.
O que tem chamado mais a atenção é o fenómeno virtual em que o internauta com quem se estabelece um relacionamento não é conhecido. As relações amorosas passaram a fazer parte das passibilidades dos internautas, pois, “para eles nada é mais lógico do que o estabelecimento de relações virtuais, uma vez que o computador passa a ser uma verdadeira realidade pessoal” (Angerami, 2006, p.108). Estabelecem o vínculo de namoro, assumem o compromisso, mas não se conhecem presencialmente.
Merleau-Ponty (1999) diz que “a sexualidade se difunde em imagens que só retêm dela certas relações típicas, certa fisionomia afectiva. O internauta cria no seu imaginário constitutivos idealizados de amor e da pessoa com quem se relaciona. A vivência da Internet não o remete à necessidade de vivências reais; a sua necessidade de amor é algo que não pode ser compreendido por padrões de amor que implicam o toque corpóreo” (cit. in Angerami, 2006, p. 110).
E por mais insólito que possa parecer aos que acreditam no pulsar da emoção, no brilho do olhar, a palpitação do coração, as palavras de todos os poetas que escrevem sobre o amor e a paixão, as pessoas podem estar satisfeitas com relacionamentos estabelecidos virtualmente. Estas novas modalidades de relação desafiam qualquer tipo de reflexão teórica-filosófica, sendo difícil contemplar estas mudanças à luz das publicações sobre a psicologia do desenvolvimento.

Angerami coloca, a meu ver, uma questão pertinente: será necessária uma reformulação nos conceitos actuais de estudos da condição humana para que possamos atingir em algum nível o seu verdadeiro dimensionamento?

quinta-feira, agosto 23, 2007

Pais à porta

Partilho convosco uma nova tendência em Londres: o clube de adolescentes – Underage Club (clube para menores de idade), em que maiores de 18 anos não entram, e que funciona durante a tarde. A ideia surgiu de um adolescente de 15 anos – Sam Kilcoyne, cansado de não conseguir entrar em clubes para assistir a concertos, por ser menor de idade. Quem toca no Underage são bandas de adolescentes, não são servidas bebidas alcoólicas, apenas refrigerantes e os pais poderão transportar os instrumentos mas ficarão à porta!
O sucesso do clube e das bandas levou a que se organizasse um festival de música que foi realizado há duas semanas em Londres. Foram mais de 5 mil adolescentes que assistiram e apesar da insistência de alguns pais para acompanharem os filhos, foram obrigados a esperar do lado de fora do espectáculo.
Esta iniciativa vai ao encontro dos discursos dos adolescentes ao referirem a importância do espaço privado, onde adulto não entra!, da música enquanto modelador de afectos e das identificações ao grupo. Mas aumenta também os receios de alguns pais… que referem “sexo, drogas e rock’n’roll”…, temas muito discutidos nas terapias familiares com adolescentes.
O que acham? Está aberta a discussão!




segunda-feira, agosto 20, 2007

COISAS VÁRIAS


#1
À Inês Mega e ao Rui leitores deste blog salpicos e a quem desde já agradeço os comentários sobre o post A VIDA DEPOIS DA VIDA, comunicar que a resposta à vossa solicitação de bibliografia já foi feita e pode ser encontrada na sequência dos vossos comentários.

#2
Destino: Maastricht, Países Baixos
(vulgo Holanda)
País flat, o que em linguagem de surfista significa mar chão, sem ondas, sem irregularidades. Porém este é apenas o conteúdo manifesto de um país que no seu mundo interno é cheio de controvérsias, arrojos e formas diferentes de viver. Paisagem literalmente verde água (ou talvez seja melhor dizer verde com água) que nos abraça o espírito e acalma o corpo dorido de tanto caminhar. É um boculismo que para uns é reforçado por visitas às coffee shop, com os seus cheiros e fumos agridoces e que para outros abre as portas da estranheza e da adrenalina do acesso a substâncias que estão etiquetadas nisso a que se chama super-ego como Proibido. É um país que se ama na sua beleza, na sua diversidade e que se traz para casa no coração.

No extremo sul do país encontra-se Maastricht onde decorreu a 22ª Conferência da EHPS “Health Psychology and Society”. Os abstract das conferências podem ser encontrados em http://www.ehps2007.com/

O programa foi organizado em redor de 16 sub-temas (http://www.ehps2007.com/callforpapers.html ). Uma das conferências apresentadas Understanding Individual Behaviour Change Over Time, por Wayne Velicer da Universidade de Rohde Island, versou sobre aquilo que se designa como Análise Ideográfica. Deixo aqui alguns apontamentos do que é e da sua importância.

É mais frequente ser utilizada nas análises de dados qualitativos particularmente na análise qualitativa de natureza fenomenológica. Na análise Ideográfica (assim chamada porque procura tornar visível a ideia presente no documento qualitativo em análise, podendo para isso lançar mão de ideogramas ou símbolos expressando ideias), o pesquisador procura por unidades de significado, o que faz após várias leituras de cada uma das descrições. As unidades de significado então definidas são recortes julgados significativos pelo pesquisador. Para que as unidades significativas possam ser recortadas, o pesquisador lê os depoimentos à luz de sua interrogação, da sua questão de investigação. Como é impossível analisar um texto inteiro simultaneamente, torna-se necessário dividi-lo em unidades. Estas unidades são representativas do fenómeno pesquisado. Estas unidades de significado são seguidamente agrupadas em categorias que permitem agora o trabalho de generalização, comparação entre sujeitos e a própria análise quantitativa.

A diferença desta conferência é que introduz este método como metodologia de trabalho fundamental em dados quantitativos como por exemplo estudos sobre a adesão às terapêuticas da apneia do sono, da cessação tabágica, entre outros exemplos dados. São dados de raiz quantitativos na sua maioria recolhidas por telemetria (dispositivos electrónicos que registam a evolução ao longo do tempo da variável em estudo). O método ideográfico neste contexto permite acompanhar a mudança do individuo ao longo do tempo. Na maioria das vezes fazemos estudos comparativos entre variáveis independentes e variáveis dependentes. Na análise ideográfica deixa-se pensar no grupo para abordar o individuo. Assim, a cada individuo corresponde um gráfico da evolução da variável ao longo do tempo. Por exemplo, o gráfico do tempo que utilizou a máscara de oxigénio durante a noite no tratamento da apneia do sono ao longo de um determinado período de investigação. Da análise de cada um dos gráficos, é possível fazer uma análise de clusters em que se formam grupos, representado cada um, um padrão de evolução da variável. Seguindo com o mesmo exemplo, forma-se o cluster 1 que representa o grupo de indivíduos que ao longo do tempo diminui a frequência de utilização da máscara. O cluster 2 o grupo de pessoas que mantém a frequência de utilização e o cluster 3 aquelas que a aumentam. A etapa seguinte e fundamental é a investigação de quais as variáveis preditoras da pertença a cada um dos clusters podendo-se assim intervir no sentido da mudança do comportamento. Nestes estudos o mínimo adequado são 40 a 50 momentos de avaliação ao longo do tempo.



segunda-feira, agosto 13, 2007

O tempo do amor

Muito se tem escrito sobre terapia de casal e as diversas técnicas, mas hoje deixo-vos com as palavras de um poeta amigo que traduzem o processo de desilusão, insatisfação e afastamento, e que reforçam a importância do sentimento de se ser único e especial para a outra pessoa. Obrigada Jorge!

“Já não sabe mais o que lhe dizer. Ela foge com o olhar para não o confrontar com a verdade. Talvez apenas o tempo conte. Talvez seja isso que quer, que caminhem lado a lado enquanto houver tempo. Inunda-a de palavras na expectativa de que o escute. Responde-lhe com o silêncio de uma paixão inanimada. É assim que se inicia o fim…

Amanhã, ou depois, num destes dias, nem a sua mão chegará perto dele. Nem o seu cheiro circundará as casas que habitam por enquanto. Nem o seu sorriso será suficiente para o fazer ficar. Não que desista. Não que abdique. Mas porque se cansará de falar sozinho. O que poderá um homem fazer aos sentimentos maiores e puros se os cala no silêncio?

Passeiam os corpos pela casa cada vez mais vazia. Desencontram-se estrategicamente à volta da mesa ou nas pontas do sofá. Já não lêem em conjunto. Já não partilham o interesse de assistir a filmes, aninhados um no outro. A mesa das refeições é usada à vez. A paixão esmorece-se a cada segundo. A porta aberta para que entre uma brisa no final de tarde é um convite para que saia de uma vez por todas.

Já não há tempo. Já não há razão para que se abracem. Os beijos outrora doces são agora amargos sabores da desilusão. Ela caminha noutro sentido. Ele silenciou as palavras.

Ali vivia a esperança do amor. Agora apenas ruínas e cinzas assinalam a passagem de um casal. Até que o vento mude a paisagem fúnebre. Até que o tempo tome conta do lugar. Tal como ela desejara…”


In Jorge Barnabé, Julho 2007

domingo, agosto 12, 2007

Grupos de formação contínua para psicoterapeutas - observação de sessões de psicoterapia em vídeo


O Instituto Português de Psicoterapia Integrativa vai realizar grupos de formação apoiados em gravações de vídeo a partir de Setembro de 2007.

Deixo-vos as informações disponibilizadas na página deles:

"Caros colegas,

Decidi começar definitivamente com os grupos de vídeo formação no IPPI a partir de Setembro de 2007.

Já falei com alguns de vós sobre esta ideia, mas talvez valha a pena só relembrar as razões deste projecto.

Depois de 10 anos de orientação de estágios e supervisões no Instituto Superior Técnico e no privado, cheguei à conclusão de que a formação em psicoterapia e prática de supervisão tem sérias lacunas se for apenas teórico-verbal e deve ser complementada por uma metodologia prático-experiencial, que pode incluir a observação directa através de um espelho, os exercícios de role playing, e mais relevante para este projecto, através da gravação e visionamento de sessões em vídeo. Esta última metodologia tem como vantagem que as interacções terapeuta-cliente podem ser estudadas repetidamente.

As dificuldades sentidas pela maioria dos terapeutas geralmente não são ao nível teórico, mas, de facto, ao nível da implementação prática dos conteúdos teóricos. Acho que só estas metodologias prático-experienciais vão ao encontro destas necessidades.

Junta-se a este dado o problema da subjectividade. Os terapeutas que afirmam (e pensam) que seguem uma determinada orientação teórica, quando observados na sua prática clínica, exibem na verdade muitos comportamentos, que não encaixam nesta orientação. Ou seja, os terapeutas não fazem o que dizem que fazem (veja Wachtel, 1997) O que um terapeuta descreve nos seus livros ou artigos que faz, só capta uma parte do que ele ou ela faz na realidade, e o terapeuta muito facilmente pode até estar muito equivocado sobre o seu próprio funcionamento.

Muitas experiências nas áreas da psicologia social e cognitiva demostraram que em muitos aspectos somos os piores juizes de nós próprios, ao ponto de sermos quase incapazes de transmitir uma parte essencial do nosso funcionamento pelo relato verbal (veja Wilson, 2002). Consequentemente, muito de que um terapeuta aprendeu a fazer, foi através de uma aprendizagem que podemos descrever como implícita e inconsciente, pelo que este não conhece muitas das suas próprias aprendizagens

Mesmo que o terapeuta esteja consciente dos seus procedimentos, muito do seu conhecimento é do tipo processual e não do tipo declarativo, de forma a que é muito difícil de transmiti-lo através do relato verbal. (como seria explicar por palavras como se faz um origami). Podemos designar esta aprendizagem como artesanal, obedecendo ao mesmo tipo de lógica de aprendizagem das profissões tradicionais, em que ao mestre correspondia o seu aprendiz. Este tipo de concepção vai provavelmente ao encontro do que o Prof. António Branco Vasco (FPCE-UL) descreveu como o componente artístico da psicoterapia.

Muito do que o terapeuta faz é intuitivo. No meu entender, como descrevi num artigo recente (Welling, 2001), este funcionamento intuitivo representa o nosso funcionamento mais sofisticado, a nossa mestria. É o conhecimento emergente, que já conseguimos utilizar na prática, mas que ainda escapa ao entendimento explícito-verbal. Seria uma pena deixar perder precisamente o que de melhor que fazemos, a essência da nossa arte!

A observação de gravações em vídeo das sessões de terapeutas, pode permitir precisamente a “descodificação” destes processos, quer para o próprio (que ao visioná-las se “reapropria” delas), quer para terceiros. A ideia é que nestes grupos de 4-6 participantes, se observem, se necessário repetidamente, gravações de vídeos e discutindo-os pormenorizadamente. Neste momento já temos vídeos comerciais de alguns terapeutas de renome, como Bugental, Yalom, Polster, Greenberg, Fosha e Wachtel, e posso também disponibilizar sessões minhas, que têm como vantagem que são em Português e que são com clientes reais. Os restantes elementos do grupo poderão também disponibilizar gravações das suas sessões para serem analisadas. Obviamente, podem surgir desta análise dados úteis para os processos clínicos em curso, mas o objectivo não é a supervisão, mas sim uma aprendizagem e formação continua.

Os cursos são semestrais (Set-Jan, Fev-Jun) com uma frequência quinzenal. O custo do curso é 360 Euros (40 Euros por sessão). As sessões realizar-se-ão na Alameda D. Afonso Henriques, nº 74, 5º Dto., em Lisboa. As sessões serão inicialmente orientadas por mim, mas a minha colega Isabel Gonçalves (IST, APTCC), com quem estive a desenvolver este projecto, integrar-se-á só em cursos posteriores, tendo falta de disponibilidade neste momento.

Preenche então o formulário anexo e reenvia-o sff para wellinghans@yahoo.com até ao fim do mês de Agosto.

Conto convosco!

Hans Welling

Instituto Português de Psicoterapia Integrativa - Alameda Afonso Henriques- 74-5º Dtº
(Metro Alameda)* 1000-125 Lisboa * tm 919 430 443

Uma verdade inconveniente!




Seguindo o espírito da Edite, cá vai mais um post fora do espírito de férias…
Estive a ver à pouco o DVD do Sr. Al Gore e fiquei chocado!
Estamos a matar o nosso planeta e não temos órgãos para substituição, mas temos a possibilidade de com a tecnologia actual reduzir as emissões de gazes de efeito estufa para os níveis de 1970.
Porque não o fazemos?
Será que o nosso ego está acima do bem-estar do planeta?
Mas se não existir planeta onde fica a morar o nosso ego?
Não estou a pedir a ninguém para se tornar altruísta… tornem-se “apenas” egoístas inteligentes… assim se cada um garantir a sua casa, todos teremos um planeta para viver!

Não me alargar mais neste tema, deixo apenas o link para as informações de tudo o resto que é necessário fazer para se tornarem inteligentes. http://www.climatecrisis.net/

Boas férias, para os que estão de férias e bom trabalho para aqueles que estão a trabalhar!

segunda-feira, agosto 06, 2007

A VIDA DEPOIS DA VIDA

É sobre transplantação de órgãos que vos trago alguns salpicos. Não que seja um assunto propriamente sintónico com a sensação de férias que a todos assalta, mesmo aos que de férias não estão. Porém ouso escrever um pouco sobre o assunto nesta altura pois sinto que é sempre hora de pensar a vida e particularmente a vida que se ganha quando quase se perdeu.
Alguém disse na primeira pessoa que "Fazer um transplante é viver de novo sem nunca ter morrido verdadeiramente".
As questões do transplante de órgãos jogam-se na fronteira da identidade do corpo com a identidade do ser. O corpo tem uma identidade, um self biológico que se conhece a si próprio, que representa uma barreira entre o Eu e o Outro – o sistema imunitário. A patologia do self biológico representa a dificuldade de se reconhecer a si mesmo que advém do deficit do sistema imunitário, seja este provocado como no caso do transplante de órgãos ou adquirido como nas doenças auto-imunes. O self poder-se-ia dizer em primeira instância imunológico (Meissner, 1997).
O transplante permite-nos pensar sobre o que acontece quando uma parte estranha é introduzida no corpo, quando algo é acrescentado ao interior do corpo. O novo órgão ao ser introduzido no corpo, alcança imediatamente representação mental e começa a relacionar-se com introjecções já existentes, cujos conteúdos ele activa (Castelnuovo-Tedesco, 1973). O paciente tem então uma experiência que vai para além de receber fisiologicamente um órgão. Não se trata apenas de o corpo aprender a adaptar-se ao novo órgão como se lhe pertencesse. O self experiencia a nova aquisição como algo introjectado, como um objecto ou parte de um objecto que se torna imediatamente bastante activo. Aquilo que anteriormente era não self, começa a ser sentido agora como parte do self (ainda que algumas vezes esta integração ocorra sobre o preço de intensa conflitualidade).
Porém, a aceitação do self biológico acontece sob o preço da indução da sua patologia, a diminuição da capacidade de se reconhecer a si próprio (diminuição da actividade do sistema imunitário), de saber quem é, pois caso contrário ele rejeitaria o não-self proposto, dado ser algo de estranho (o que conduziria à rejeição do órgão transplantado). Considerando o self a totalidade do ser, o seu corpo e a sua mente, a sua carne e as suas emoções, a patologia do self biológico exigirá inevitavelmente uma profunda reformulação do Si. O transplante introduz um corte entre a definição de si próprio relativamente ao passado, ao presente e mesmo na antecipação do futuro. Tornar o transplante uma parte suficientemente integrada da identidade, poderá contribuir para a sobrevivência de um self coeso, para a percepção do transplante como possuidor de significado, propósito e controlabilidade e, paralelamente, para a promoção da saúde. Isto porque "é o sentido do significado de melhoria que se procura pois que a felicidade e a infelicidade são existênciais e o valor da vida não se mede apenas pela capacidade de execução biológica" (Degos, 1993).
Referências
Meissner, W. (1997). The embodied self-self versus nonself. In L.Goldberg (Ed.), Psychoanalysis and contemporary thought. New York: International Universities Press, Inc.
Castelnuovo-Tedesco, P., Torrance, C. (1973). Organ Transplant, Body Image, Psychosis. Psychoanalytic Quarterly, v. 42, p349, 15p. Retrieved September, 13, 2005, from PEP Archive (Psychoanalytic Electronic Publishing) database.
Degos, L. (1994). Os enxertos de órgãos. Lisboa: Instituto Piaget. (Tradução do original em língua francesa Les Greffes d’Organes. (S.I.) : Flammarion, 1993)

sexta-feira, agosto 03, 2007

Fear Not! Um programa interactivo para combater o "bullying"

Saiu hoje no Jornal Público a notícia de um jogo de computador que tem como objectivo ajudar a combater o bullying.

O jogo chama-se "Fear Not" e é um software que vai ajudar a criança, que se encontra em frente ao computador num ambiente 3D, a resolver situações de bullying.

De acordo com os autores, as crianças estabelecem uma relação com as personagens, no contexto de um drama virtual, porque são sintéticas, isto é, apesar de não serem reais, conseguem ser credíveis. As crianças reagem emocionalmente e, por isso, mostram que são capazes de perceber e interpretar os estados emocionais das personagens.

Parece-me interessante esta ideia pois usa um cenário violento (típico dos jogos de computador) mas a favor de uma abordagem lúdico-pedagógica e trata um problema tão importante com o bullying. O princípio parece-me muito bom, agora vamos lá ver como é que funciona na prática!

Podem ler esta notícia na íntegra no Público.pt

Para mim....

Há verdades que destroem a verdade e
mentiras que protegem a verdade.

O desprezo



Nos últimos tempos tenho-me interessado muito por temas relacionados com as dinâmicas das relações de casais. Neste início de férias estive a ler um livro ligeiro, compatível com o meu humor e com o tempo quente: Blink! de Malcolm Gladwell.

A determinada altura do livro o autor descreve uma série de estudos realizados por John Gottman nos quais comprova que basta analisar de forma rigorosa meia dúzia de parâmetros na interacção espontânea (enquanto falam sobre um assunto polémico) entre um casal durante cerca de 1 hora para se poder prever com um nível de exactidão que ronda 95% quais os casais que vão permanecer juntos ou que se vão separar nos 15 anos seguintes. Se o tempo de observação for reduzido para 15 minutos, o grau de exactidão baixa para 90%.

De acordo com Gottman para um casamento durar, a relação entre as emoções positivas e negativas num dado encontro tem de ser pelo menos de 5 para 1. As emoções negativas mais significativas são: postura defensiva, reserva, censura e desprezo. O desprezo é qualitativamente diferente dos outros e muito mais danoso. Diz ele: “Na realidade, Gottman descobriu que o desprezo num casamento pode levar a prever coisas, tais como o número de constipações que o marido ou a mulher podem apanhar; por outras palavras, o facto de alguém que amamos nos desprezar é tão desgastante que começa a afectar o sistema imunológico”.

Para estes autores o desprezo é uma emoção especial. Quando ela domina a relação de casal ou tem uma expressão significativa já não há nada a fazer, a relação atingiu um ponto sem retorno.

Mas o que é verdadeiramente o desprezo? Porque é que se despreza? Em que circunstancias é que o desprezo se torna uma emoção que convive paredes meias com o amor e o carinho? Será que o desprezo e a manifestação dele numa relação amorosa, não é já prova da ausência de um afecto verdadeiro e profundo?

Se o desprezo é tão corrosivo numa relação de casal, o que fará a uma criança, quando ela se sente desprezada pelo pai, mãe ou irmão?

terça-feira, julho 31, 2007

Férias à vista - Leituras retomadas

Hoje é o culminar de um mês de trabalho e o início das tão anunciadas férias para a maior parte da população portuguesa, e muito em especial para a população psi.


Em tempo de férias, de relaxe, de dias quentes e longos, de crianças descontraídas e ávidas por ocupar os seus tempos com actividades prazerosas...

muitos pais interrogam-se de que forma poderão ocupar o tempo dos seus filhos, uma vez que facilmente se aborrecem


Para muitos a época de férias é ocupada com viagens, quer cá dentro, como lá fora, outros aproveitam para se dedicar a outro tipo de actividades que normalmente, e com o frenesin diário, vão ficando para trás, relegadas para segundo plano. Entre muitas das actividades que aqui se poderiam delinear, vou apenas dedicar-me à tão afamada leitura.


Mas será que tem tanta fama para os mais pequenos? Muito se tem falado sobre os hábitos de leitura em todas as faixas etárias, mas os olhares voltam-se sempre para os mais novos, pois o seu percurso escolar vai "depender da quantidade de livros que possam ler"!

Mas ao iniciar-mo-nos nas leituras apenas na altura da entrada para o ensino obrigatório é bom? Será que incita em nós o desejo de ler, de fantasiar, de imaginar o rosto das personagens que estão a ser descritas páginas adentro? Será que nos faz vasculhar prateleiras de bibliotecas, ou de livrarias, a descobrir um título sugestivo, uma história desconcertante?


Muito dificilmente, pois não foram incitados à leitura de forma espontânea, porque provavelmente aquele acto foi algo mecânico, um meio que produziu um fim...


A leitura tem que ser algo prazeroso e enquanto experiência pessoal é algo muito importante


Se essa leitura for iniciada muito precocemente produz uma motivação e um diálogo muito grande, e é a porta de entrada para uma aprendizagem saudável, gratificante.


Todos nós temos um ponto de partida emocional para tudo, as emocões primárias estão na base de todos os sistemas de comunicação. Quando as crianças se iniciam na leitura ainda antes da escolaridade estão largamente em vantagem em relação às crianças que se iniciam na leitura apenas na escola, onde aprendem a descodificar, a identificar palavras, ao passo que as primeiras maravilham-se com o enrendo, com as imagens, com as palavras, com os livros que elas próprias escolheram.


Como as emoções primárias estão na base de todos os sistemas de comunicação, aprendemos a falar porque alguém nos fala, decerto aprenderemos a ler porque o nosso pai ou a nossa mãe nos leu, por isso leiam com os vossos filhos pequenos, facilitem-lhes livros alegres, apelativos e que lhes façam encontrar saídas para as suas coisas


Sugiro-vos aqui um livro de que gosto particularmente e que permite que as crianças percebam que todos nós temos coisas boas e más, raiva, alegria, medo, tristeza...




O Livro de que vos falo chama-se O Pássaro da Alma

e começa assim:


No fundo, bem lá no fundo do corpo, mora a alma.


Ainda não houve quem a visse,


Mas todos sabem que ela existe.


E não só sabem que existe,


Como também sabem o que lá tem dentro...


....


BOAS LEITURAS