terça-feira, julho 28, 2009

ACERCA DA RESILIÊNCIA (PSICOTERRORISMO PARTE III)


A resiliência é a capacidade de enfrentar condições adversas com coragem e determinação e ser capaz de transformar um problema numa oportunidade.

A resiliência é uma capacidade que se pode desenvolver - como, é uma das questões que mais vêm à baila no decorrer do aconselhamento profissional. Temos de aprender a ser resilientes para que a força não nos falte nas fases menos propícias. Capacidade egóica por excelência, remete também para a construção do self e da identidade da pessoa. Um self forte, coeso, construído por acumulação de experiências gratificantes ou, pelo menos, que garantiram a aprendizagem com o erro, é meio caminho andado para se ser resiliente. É uma capacidade invejável mas que, repito, se pode adquirir ou melhorar.

Mas ser resiliente não é fazer como a avestruz e resistir à transformação e, por essa via, a resistir a melhorar o desmpenho. Tenho notado que há quem confunda melhorar o desempenho com "fazer a vontade" aos chefes. Donde terá nascido esta confusão, não sei dizer (embora a história sindical dê pistas para uma explicação), mas o que verifico é que ela é frequente e perniciosa. O primeiro que fica a perder é o trabalhador. A melhoria do desempenho, um aspecto fundamental do trabalho de qualquer pessoa, é algo de desejável porque também nos traz satisfação. è importante que retiremos prazer do que façamos, e possamos ser criativos. O trabalho, que nos ocupa tantas horas por dia, não pode ser uma fonte constante de desprazer e de mal-estar, sob pena de ficarmos psicologicamente enfraquecidos e mesmo deprimidos.

É preciso perceber que as relações laborais não são um jogo de soma zero. Ou seja, não há um que ganha e outro que perde. A satisfação com um trabalho bem feito é importante para a construção da nossa identidade (e auto-imagem) e contribui também para o melhor desempenho da empresa, devido ao aumento da produtividade e da competitividade. O melhor desempenho das empresas é assunto que não diz respeito apenas ao donos das empresas, mas a todos nós. O emprego é algo que começa a escassear e o problema não é apenas local, é global. No caso do nosso país, a situação é duplamente grave, porque se junta à crise internacional um péssimo índice de competitividade que é já estrutural.

O que acabei de escrever poderá não se aplicar ao fucionalismo público ou seja, a todos aqueles que não trabalham para empresas a actuar no mercado, mas para o Estado. Coisa curiosa, os conflitos laborais não são nesse caso menores, nem o mal-estar das pessoas. Já pensaram por que será?

domingo, julho 26, 2009

PSICOTERRORISMO PARTE II


Muitas das consultas online que a Psicronos tem recebido nos últimos tempos dizem respeito ao bullying/mobbing. Por isso vou continuar com o tema e com as formas de enfrentar o problema.

O Prof. Cary Cooper, da universidade de Leicester, afirma que trabalhar num ambiente "macho", de intimidação (bullying) e manipulador aumenta a:
  • ansiedade

  • depressão

  • perda da auto-estima

  • tendência para a auto-culpabilização

  • sentimento de impotência


Esta coisa do ambiente "macho" pode parecer esquisita, mas é uma realidade. Sabem aqueles locais de trabalho em que as piadolas menorizam a imagem das mulheres, reduzem o sexo a uma macacada e permitem a uns quantos imbecis darem-se ares de machões? É a esses ambientes que o Prof. Cary Cooper se refere. E isto é em Inglaterra...


No ambiente que actualmente se vive, com o espectro do desemprego a pairar, suspeito que as tendências manipulatórias estão em alta. Não quero aqui insinuar que todos os chefes são uns sádicos à solta. É evidente que não, e que a maior parte deles está em situação de alta pressão por parte das próprias chefias (aí também há psicoterrorismo). Nestes ambientes, as fronteiras tendem a esbater-se e vale tudo. São variados os estudos que apontam para o esbatimento das fronteiras como o maior factor de stress.

Como no Seringetti, os mais frágeis são a presa ideal. E às vezes o leão até se agarra ao pescoço... (ver foto).
Como fazer para não ser vítima de intimidação e simultaneamente melhorar o desempenho profissional?


sexta-feira, julho 24, 2009

PSICOTERRORISMO (MOBBING)


Esta é a designação que os espanhóis dão ao fenómeno do bullying, também conhecido por mobbing. Ou seja, a coacção psicológica, ou física, no emprego ou na escola. Ou mesmo em família, ou no grupo de "amigos". O i de hoje tem um artigo sobre o tema


De acordo com o estudo, quase 30% dos consultados já sofreram, ou sofrem, este tipo de agressão.

O Salpicos tem já referido o assunto, mas nunca é demais falar dele. Ouço cada vez mais pessoas, de facto, a queixarem-se deste tipo de abusos. Chefes sádicos que aproveitam uma fragilidade de um colaborador para o massacrar e intimidar, muitas vezes recorrendo à humilhação pública, colegas que fazem verdadeiras campanhas de má língua para conseguiram a exclusão da vítima escolhida. A crueldade humana não conhece limites, já o sabemos. No bullying, é frequente as pessoa serem agredidas até por questões de aparência física, por exemplo, e que nada têm a ver com o seu desempenho profissional. No entanto, este tipo de fenómenos parece ter tendência a aumentar em situações de crise económica, em que o espectro do desemprego é habilmente utilizado pelo(a) agressor(a).

O curioso é que as vítimas são normalmente pessoas competentes profisionalmente. Perfeccionistas e inseguras, muitas vezes, os ataques de que são vítimas tem ressonâncias internas dolorosas e que lhes retiram a capacidade de resposta em relação ao agressor. Quase que se sentem culpadas por estarem a ser agredidas.

Na minha experiência, uma pessoa deprimida e com falta de auto-estima é uma vítima potencial para os sádicos e predadores que por aí se movem. É, assim, necessário que a vítima perceba que não está condenada a ser vítima, e que a agressividade natural de cada um tem de ser dirigida para quem nos agride, e não para dentro. Isto parece uma verdade de La Palisse, mas é frequente encontar pessoas que não imaginam sequer (ou não ousam imaginar) o impacto que pode ter uma alteração de postura. A vida é feita de interacções e há todo um código de sinais e de posturas que fala por nós. Na vida profissional, em particular, convém estar muito atento. Não alimentando paranóias, mas com assertividade e firmeza. Deixemos o dar da outra face para os seres excepcionais (se é que existem).

A gestão da culpa é outra questão essencial e que é essencial saber gerir: a vítima do psicoterrorismo costuma até culpabilizar-se pelo mal que lhe é feito e fica paralisada como a mosca que cai na teia da aranha.

quarta-feira, julho 22, 2009

PARA OS MAIS FÓBICOS...

...lugares a evitar:
http://ow.ly/hU38

"Un conte de Noël"


O filme "Un conte de Noël" ("Conto de Natal") de Arnaud Desplechin, com Catherine Deneuve e Mathieu Almaric, gira em torno de uma reunião de uma família dispersa, fragmentada e acima de tudo disfuncional.

Uma família marcada pela doença (do sangue), que se expandiu por causa dela: um dos filhos (Mathieu Amalric) foi gerado na expectativa de vir a ser um dador de medula compatível com o irmão mais velho, vítima de um cancro do sangue. Contudo a criança não se revelou compatível, o irmão morreu, e o primeiro ficou com o estigma de ser um filho "inútil".

Recomendo vivamente.

"Pranzo di ferragosto"



O filme "Pranzo di ferragosto" ("Almoço de 15 de Agosto") de Gianni Di Gregorio é uma verdadeira "delícia no seio dum grupo de velhinhos". Recomendo vivamente.

"Home"

O filme "Home" ("Lar, doce lar") de Ursula Meier retrata o quão "desestruturante" pode ser a quebra de rotina no seio duma família.
Isabelle Huppert no seu melhor...imperdível.

quarta-feira, julho 15, 2009

sábado, julho 11, 2009

DISCURSO DE OBAMA NO GHANA


http://www.nytimes.com/aponline/2009/07/11/world/AP-AF-Obama-Text.html?_r=2&pagewanted=all

Sintético, corajoso, motivador. Para ler e reler.

quarta-feira, julho 08, 2009

Em Nova Iorque há poucos meses...



Perdoem-me a pouca qualidade da fotografia, mas dá que pensar... O respeito pelas mulheres terá realmente de ser encarado assim pelas camadas mais jovens da população? Como se fosse uma "obrigação" a somar a outras? Ou haverão leituras alternativas deste anúncio? Reparem nas inscrições da camisola do adolescente.

sábado, julho 04, 2009

SERVIR O PODER

"Servir o poder tornou-se assim o caminho único para alcançar um estatuto de riqueza e acreditação social que se iria tornar uma fatalidade nacional".
Retiro estas palavras do artigo que Miguel Sousa Tavares publicou hoje no Expresso (não ponho o link porque não é aberto) sobre a confusão, que faz parte da nossa história, entre nação, estado e governo. A ler absolutamente.

sexta-feira, julho 03, 2009

Weekend musical: Mazgani

ttp://www.youtube.com/watch?v=ItXPgiWzcZQ
Tenho o prazer de vos apresentar o trabalho de um jovem de que eu gosto muito. Cresceu em Portugal, nasceu na Pérsia.

A democracia que temos

http://tinyurl.com/l87lu7
A SEDES condiziu um estudo sobre a (fraca) qualidade da demcracia portuguesa. Os resultados não surpreendem, mas vêm confirmar o pior.
Aos candidatos a PM: atenção à justiça! Sem ela não há demcracia.

quinta-feira, julho 02, 2009

quarta-feira, julho 01, 2009

Kieran Goss - Reach Out (I'll Be There)

Tenho estado a pensar em como é difí­cil sairmos de nós próprios...
Havia uma música antiga, dos Four Tops, que não encontro, mas esta versão também é boa...
Divirtam-se!